Mostra Biodiversidade pela Boca reuniu centena de pessoas no Parque da Redenção, em Porto Alegre

Atividade teve como objetivo divulgar a importância das plantas alimentícias não convencionais ( PANCs) e frutas nativas, bem como sua aplicação em receitas saborosas e muito nutritivas.

Por Juarez Tosi, para EcoAgência de Notícias

Centenas de pessoas passaram, nesse sábado (29/11), pela Mostra Biodiversidade pela Boca. O evento, organizado  pelo Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (InGá), em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, teve como objetivo divulgar a importância das plantas alimentícias não convencionais ( PANCs) e frutas nativas do Rio Grande do Sul, bem como sua aplicação em receitas saborosas e muito nutritivas.

A mostra foi realizada em frente a Feira dos Agricultores Ecologistas (FAE), junto ao Parque da Redenção, em Porto Alegre, com a participação agricultores agroecológicos, grupos da agrobiodiversidade, e empreendimentos da economia solidária de várias regiões do RS e do Cerrado, com degustação de alimentos e bebidas, além de frutas da safra in natura.
De acordo com o biólogo Paulo Brack, doutor em ecologia e integrante da ONG InGá, a atividade foi uma mostra da grande biodiversidade alimentar que existe no Rio Grande do Sul. “Temos que difundir esse conhecimento para que as pessoas possam aproveitar melhor o que a natureza nos dá”. Segundo ele, todos os alimentos apresentados durante a mostra são muito nutritivos e produzidos sem o uso de agrotóxicos ou alterações genéticas (transgênicos).
Também presente na Mostra Biodiversidade pela Boca, o representante da Gerência de Recursos Genéticos do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Lídio Coradin, destacou que um dos principais objetivos do trabalho é a promoção de dados sobre o valor nutritivo das espécies nativas. Segundo ele, estão sendo realizadas mostras da biodiversidade pela boca em várias regiões do país. “No próximo ano”, enfatizou, “pretendemos realizar em Brasília o primeiro grande festival da Biodiversidade pela Boca, reunindo variedades típicas de cada estado do Brasil”.
Fonte:  EcoAgência Solidária de Notícias Ambientais


Anúncios

um comentário

  • Cleidi Leila Fagundes Cornely

    Pena que não fui nesse fim de semana ao parque e perdi essa mostra . Como odontologa e habilitada em fitoterapia , procuro incluir nos tratamentos o uso das plantas regionais que ,podem ser usadas como auxiliares nas afeções da boca e fortalecimento dos dentes..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s