Desastre de avião na Etiópia mata diretor do PNUMA antes da Assembleia Anual

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA (em português) registra a morte de Victor Shangai Tsang, que era passageiro do avião da Ethiopian Airlines, que caiu na manhã de 10 de março de 2019 perto de Addis Ababa, na Etiópia.

No vôo, muitos funcionários da ONU. No entanto, seguiu normal a Assembleia Anual do Programa (veja vídeo em https://youtu.be/MiX0kFRVDQo) que ora se realiza em Nairóbi.

Considerou o Programa, em nota distribuída mundialmente, que a morte de Victor é uma perda devastadora, não apenas para o ambiente da ONU, mas para as Nações Unidas como um todo. Ele foi um grande embaixador para a organização, incorporando e mantendo seu espírito e ideais. Nascido em Hong Kong, na China, Victor ingressou no Programa Mundial de Alimentos como Estagiário em 2011. Ele se juntou ao Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente em 2015, trabalhando como Oficial de Programa na Unidade de Gênero e Salvaguardas. 

Victor assumiu essa posição com vigor e entusiasmo, esforçando-se para tornar nossos projetos totalmente sensíveis ao gênero. Desenvolveu o Sistema de Marcadores de Gênero Ambiental da ONU que integrava os programas de REDD + e Global Environment Facility.

Em 2018,  Victor assumiu o papel de Diretor de Políticas de Desenvolvimento Sustentável. Em menos de um ano, estabeleceu o Hub de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, que reuniu colegas de todo o Meio Ambiente da ONU. Graças à iniciativa de Victor, foram possíveis  conversas diárias sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e suas ligações com o meio ambiente. No que acabou sendo sua última – e muito apreciada – contribuição para o trabalho, Victor reuniu uma equipe de estagiários e funcionários experientes para promover as Conversações sobre Inovação do ODS na Assembléia da ONU para o Meio Ambiente que acontece esta semana em Nairóbi.

  • O Boeing da Ethiopian Airlines que caiu na manhã de domingo (10) entre a Etiópia e o Quênia levava 157 pessoas, 19 delas membros das Nações Unidas. Não há sobreviventes. Entre os mortos estão pessoas que participariam da IV Assembleia Geral das Nações Unidas para o Meio Ambiente, que começou nesta segunda-feira (11), em Nairóbi, Quênia.
  • A queda ocorreu a 62 quilômetros da capital etíope, Adis Abeba, alguns minutos após a decolagem. Ainda não se sabe o motivo da queda do avião. É a segunda vez em menos de seis meses que um Boeing 737 Max cai, matando todos os passageiros. Em outubro, na Indonésia, um avião com o mesmo modelo caiu. Cento e oitenta e nove pessoas morreram na queda.
  • Além do PNUMA, a ONU informou a morte de funcionários do Gabinete do Alto Comissário para os Refugiados (Acnur), e da União Internacional de Telecomunicações (UIT). O Banco Mundial também perdeu funcionários.
  • “As Nações Unidas estão em contato com as autoridades etíopes e trabalham em estreita colaboração com elas para estabelecer os detalhes do pessoal da ONU que perdeu suas vidas na tragédia”, afirmou o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, em comunicado.
  • A Assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente reune mais de 4.700 chefes de estado, ministros do Meio Ambiente, empresários, representantes da sociedade civil e altos funcionários das Nações Unidas para discutir e firmar compromissos globais para a proteção ambiental. Este ano, a discussão será em torno de soluções inovadoras para a produção e o consumo sustentáveis.
  • O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, participa do evento – quando terá encontros bilaterais com o Ministro de Meio Ambiente da Noruega, entre outros.

 

 

Deixe uma resposta