Agapan no FST2014: propostas sustentáveis X inviabilidade das monoculturas

Do site da AGAPAN – http://www.agapan.org.br

Quase 50 pessoas participaram da oficina temática sobre o plantio e consumo de alimentos transgênicos, realizada na noite desta terça-feira (21/1), primeiro dia do Fórum Social Temático (FST), que acontece até domingo (26) em Porto Alegre e Canoas. O objetivo do debate foi analisar os dez anos de cultivo de transgênicos no Brasil, abordando os aspectos socioeconômicos dos transgênicos e enfatizando suas implicações para a saúde humana e ambiental. O debate foi realizado no Memorial do RS, e integra o Eixo 3 do FST, sobre Justiça Social e Ambiental. O evento foi promovido pela Agapan, Grupo de Estudos em Agrobiodiversidade (GEA), do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), e Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS).

Se analisássemos todos os fatores (ambientais, sociais, éticos e técnicos) que envolvem a produção de transgênicos, concluiríamos que seria proibido produzir monoculturas, como a soja”, destacou, em sua palestra, Antônio Andrioli, vice-reitor da UFFS, membro do GEA, especialista em meio ambiente e representante da Agricultura Familiar na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Andrioli relatou discussões sobre o posicionamento e perspectivas da Comunidade Econômica Europeia sobre a produção e consumo de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs), que participou na Alemanha e na Áustria, em novembro e dezembro de 2013. Segundo o palestrante, a principal diferença entre Brasil e União Europeia é a mobilização dos consumidores, muitas delas relacionadas a temas ambientais. “O pimentão ter veneno é quase nada se comprado com o milho e a soja que comemos em muito maior quantidade, pois estão embutidos em muitos outros alimentos que ingerimos todos os dias”, comparou.

Andrioli observou que o mercado, “que considera apenas a quantidade, regulariza o plantio e o uso de soja e milho transgênicos no Brasil para alimentar rebanhos na Europa”. Para ele, é preciso mudar esse foco e incentivar os países a utilizarem outras plantas, a exemplo do que fazem Alemanha e Áustria. “Precisamos recuperar o custo ambiental da monocultura da soja, que é absurda e economicamente inviável”, afirmou, ao criticar que o agronegócio brasileiro continua se afirmando como um bom negócio.
Mais de 50 pessoas estiveram presentes no Memorial do RS.
Para Andrioli, o problema ambiental é de conhecimento, enquanto que a lógica da concorrência, que é a base do mercado, destrói a natureza e torna o ar, a água, a semente e a vida expropriáveis, ou seja, objetos de proprietário privado, fortalecendo a palavra sagrada do lucro a qualquer preço. Ao se dizer otimista, Andrioli argumenta que “há muitas coisas nas contradições que mostram que não seguimos apenas um único caminho”, e complementa que “temos que nos desafiar para novas ideias para que não digam que não existem ou que não dá para fazer diferente”.

Após a palestra, houve debate e as manifestações da plenária serão reunidas pela Agapan para a construção de propostas de encaminhamento aos futuros candidatos nas próximas eleições.

Com o tema central Crise Capitalista, Democracia, Justiça Social e Ambiental, o FST acontece entre os dias 21 e 26 de janeiro, em Porto Alegre e Canoas. Mais informações pelo http://www.forumsocialportoalegre.org.br e www.agapan.org.br

Assessoria de Imprensa da Agapan
Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues
Fotos: Adriane Rodrigues/ Heverton Lacerda para Agapan

Previous post Informativo da Fundação Gaia destaca luta contra liberação no Brasil de antigos venenos proscritos
Next post AGAPAN divulga manifesto em defesa das árvores de Porto Alegre
Send this to a friend