Seminário: O Guaíba à margem da Lei é nesta quarta-feira, 6/4

Na próxima quarta-feira, dia 6 de abril, às 14h, o Movimento de Justiça e Direitos Humanos, juntamente com Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural – AGAPAN e o Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais – INGÁ, promovem o seminário “O Guaíba à margem da lei”.

14h — Abertura

O seminário pretende abrir debate e reflexão crítica sobre os impactos associados ao crescimento urbano desordenado e as consequências do estilo de desenvolvimento que leva ao uso predatório dos recursos naturais. “Há uma emergência climática contemporânea e o uso das margens de cursos d’água, como o Guaíba, precisam observar o que consta nos instrumentos jurídico-protetivos em vigor”, alerta Jair Krischke, presidente do MJDH.
LOCAL – O evento, que também conta com o apoio de 25 entidades de atuação de defesa ambiental, será aberto ao público no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa, na Praça Marechal Deodoro, 101, Centro Histórico de Porto Alegre.
A programação é a seguinte:

Segue:

Carlos Afonso Nobre, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP – “Mudanças Climáticas e Impactos no rio Guaíba”

— José Renato de Oliveira Barcelos, advogado, membro do Conselho Municipal do Meio Ambiente de Porto Alegre

Elírio Toldo Júnior, geólogo, professor do Instituto de Geociências da UFRGS – “A Hidrossedimentologia do rio Guaíba”

Paulo Brack, biólogo, professor do Departamento de Botânica da UFRGS – “O Curso D’Água e a importância de sua área de preservação permanente”.

Mediação: Andréia Maranhão Carneiro, bióloga, Doutora em Botânica.

O evento é apoiado mais mais de 20 entidades.

O Seminário será transmitido ao vivo pelo canal do YouTube neste link: www.youtube.com/agapan

Texto divulgação dos organizadores com edição da redação do AgirAzul.com.

Assine o Twitter do AgirAzul – www.twitter.com/agirazul.

Print Friendly, PDF & Email

Next Post

Clima: A evidência é clara: a hora de agir é agora — podemos reduzir pela metade as emissões até 2030.

seg abr 4 , 2022
GENEBRA, 4 de abril – Em 2010-2019, as emissões globais médias anuais de gases de efeito estufa atingiram os níveis mais altos da história da humanidade, mas a taxa de crescimento diminuiu. Sem reduções imediatas e profundas de emissões em todos os setores, limitar o aquecimento global a 1,5°C está fora […]