Novo vídeo sobre Agricultura Regenerativa com José Lutzenberger, Sérgio Cabral e Nasser Youssef Nasr estréia quinta, 20h

O canal Lutz Global traz a público um episódio do programa “Projeto Arco-íris: o ambiente em debate”, veiculado pela extinta TV2 Guaíba em 1989, apresentado por Paulo Sérgio Pinto e produzido por Nelson Cardoso.

Nesse episódio, são entrevistados o ambientalista e engenheiro-agrônomo José Lutzenberger; Sérgio Cabral de Carvalho, engenheiro, ex-funcionário do BNDES e produtor rural, de Carangola, MG, e Nasser Youssef Nasr, engenheiro-agrônomo, responsável pelo projeto de agricultura orgânica em Cachoeiro de Itapemirim, ES – a horta pública municipal, conhecida como “Hortão”.

  • O programa vai ao ar no Canal Lutz Global, no YouTube, na quinta-feira, 3/12/2020, às 20h. E lá estará para os futuros visitantes. Link direto

Os convidados estavam em Porto Alegre após participarem do evento “Agrotóxicos na Mesa Redonda”, realizado na semana anterior ao programa, no Auditório do DAER.

No episódio, Nasr afirma, de acordo com sua experiência, que “a agricultura orgânica deixou de ser um mito”. Seus produtos orgânicos, isentos de qualquer produto químico, alimentavam as crianças das escolas públicas da cidade de Cachoeiro do Itapemirim. Seu trabalho no Hortão comprovava por sete anos consecutivos que a agricultura orgânica podia ser aplicada de forma eficaz. Ele trouxe alimentos para mostrar às pessoas no Rio Grande do Sul. A horta da prefeitura tinha 10 hectares, onde eram produzidos todo tipo de hortaliças e frutas tropicais – a estimativa de produção para aquele ano era de 180 toneladas para quatro hectares. Na área restante, três hectares eram ocupados com matas nativas preservadas e três hectares ainda estavam por cultivar na rotação de culturas.

Lutzenberger e Nasser, no programa Projeto Arco-Íris, na TV Guaíba, em 1989

Lutzenberger afirma que estava no processo de instalação do Rincão Gaia – os 30 hectares, em Pantano Grande, área a ser mantida pela Fundação Gaia. Ele o concebia como um centro cultural alternativo, com horta sem venenos, o pomar estava sendo plantado, além de um jardim botânico e área para gado leiteiro. Para ele, o Rincão seria um centro de demonstração da agricultura regenerativa. Explicou que quando ela surgiu na Europa, era chamada de “agricultura biológica”, expressão que “não considerava boa, pois tudo é biológico – o próprio DDT também é uma substância orgânica”. A outra opção, lembrou Lutzenberger, era chamar de “alternativa”, “mas agricultura alternativa não quer dizer que seja melhor; só quer dizer que é diferente”. Já “a Agricultura Regenerativa agia produzindo e melhorando o solo – a agricultura convencional produz deteriorando o solo“, afirmou.

Quanto mais eles produzem, melhor o mundo fica”. Assim Lutz definia o trabalho dos dois jovens produtores orgânicos, que atuavam numa “agricultura regenerativa; nós precisamos de uma agricultura que regenera a vida, os ambientes e a saúde”.

Sérgio Cabral afirma que produzia provavelmente o leite mais sadio de Minas Gerais – sua atuação era concebida como agropecuária regenerativa. Na pecuária convencional, era comum o uso generalizado de agrotóxico, assim como antibióticos, no gado leiteiro.

A produção de Cabral chegava a 1000 litros de leite por dia. Ele conta que eliminou o uso de venenos no gado, por meio de técnicas naturais, como, por exemplo, dar folha de bananeira para os bezerros comerem.

Outra técnica mencionada por Cabral foi o plantio consorciado – milho junto com feijão de porco – pois melhora o terreno e aumenta a produção de milho, de 10 a 20%. Dessa forma, não é necessário aplicar adubo orgânico e o milho não é atacado por lagartas nem caruncho. Efeito de proteção ao milho.

Vegetação nativa – Nasser salienta a importância da vegetação nativa para controlar os insetos, evitando as pulverizações de agrotóxicos. Conseguia 1600 frutos por pé de laranja, só usando adubação orgânica.

No final, Lutzenberger salienta que “os dois jovens provam algo muito importante. A indústria química dos agrotóxicos vive dizendo que, se nós abandonarmos os venenos na agricultura, a humanidade passará fome, porque vai diminuir a produtividade. Isso é uma grande mentira. Justamente a agricultura biológica, ou melhor, regenerativa, significa menos custos com mais produção e mais qualidade de produção, mais qualidade alimentícia, portanto, o agricultor vai entregar a nós consumidores um alimento mais são, mas ele vai ganhar mais, nós teremos uma sociedade mais justa, esse que é o aspecto fundamental, e somente com esses métodos nós poderemos marchar para um futuro são para os nossos filhos. Porque o caminho que a agricultura trilha hoje é um caminho suicida, que precisa ser abandonado o mais rapidamente possível. Aqui nós temos dois exemplos de uma agricultura diferente, de uma agricultura que tem futuro, a única que tem futuro”.

Créditos:

  • Este trabalho faz parte do projeto de pesquisa “Lutzenberger Global: Um mediador entre o ambientalismo brasileiro e global (Déc. 1980-1990)”, que contou com apoio do CNPq.
  • Para saber mais sobre José Lutzenberger e nosso projeto de pesquisa: http://lutzglobal.com.br
  • Este vídeo foi cedido em DVD pela jornalista Lilian Dreyer ao Lutz Global
  • Trabalho de arquivo e transcrição da Vidicom.
  • Edição do áudio: Ormando M. Neto
  • Conversão do DVD em arquivo MP4 e edição no YouTube: Elenita Malta Pereira

Texto de divulgação adaptado pelo AgirAzul.com

Novidades no AgirAzul – Insira seus próprios eventos na Agenda AgirAzul. Siga as notícias do dia no Twitter – www.twitter.com/agirazul.

Previous post SBPC divulga “Carta da Cidade de Natal”, em defesa da ciência, educação e desenvolvimento sustentável para o século XXI
Next post Conexões Amazônicas retoma atividades com divulgação de trabalhos científicos
Send this to a friend