Fórum nacional em defesa do patrimônio cultural será lançado no Congresso Brasileiro de Arquitetura, em Porto Alegre

porRedação

Fórum nacional em defesa do patrimônio cultural será lançado no Congresso Brasileiro de Arquitetura, em Porto Alegre

Captura de Tela 2019-10-08 às 18.53.57.pngRepresentantes de 15 entidades ligadas à preservação do patrimônio cultural brasileiro estarão reunidos no 21º Congresso Brasileiro de Arquitetos (CBA), de 9 a 12 de outubro, em Porto Alegre, para o lançamento do Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Brasileiro. A iniciativa expressa o repúdio referente ao o que as entidades entendem como “ataques promovidos pelo Governo Federal ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), com a substituição de seus superintendentes estaduais por agentes públicos sem formação e sem experiência neste setor”.

O ato de lançamento está marcado para a quinta-feira, dia 10 de outubro, às 13 horas, na Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre. O local é sítio tombado pelo IPHAN e no qual estará instalada parte da programação do 21º CBA.

A organização do Fórum convoca arquitetos e urbanistas, historiadores, museólogos, arqueólogos, antropólogos, sociólogos, geógrafos e demais especialistas no campo do patrimônio cultural, servidores públicos, organizações e lideranças populares para se mobilizarem em defesa do Iphan, contra a nomeação sem critérios técnicos objetivos para os cargos de definição de políticas de preservação do patrimônio cultural material e imaterial.

“A atual administração do país, por meio da nomeação de pessoas sem formação ou experiência, busca desmontar o IPHAN, extinguindo as políticas de preservação construídas ao longo de 82 anos. As ações contra os servidores públicos e contra a estrutura do Estado Brasileiro atingem e prejudicam as políticas públicas do país e não atendem ao interesse público”, destaca Nivaldo Andrade Júnior, presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB).

Para ele, o apagamento da memória e a degradação do ambiente urbano prejudicarão toda a população do Brasil, de modo irreversível. “Defendemos a valorização das carreiras de servidores afeitas à preservação de nosso patrimônio cultural, com critérios que respeitem o Estado Democrático de Direito e a Constituição Federal de 1988”, destaca.
Fazem parte do Fórum:

  1. Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB)
  2. Associação Brasileira de Antropologia (ABA)
  3. Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas (ABAP)
  4. Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura (ABEA)
  5. Associação Brasileira de Museologia (ABM)
  6. Associação Nacional de História (ANPUH)
  7. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (Anparq)
  8. Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (ANPOCS)
  9. Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (ANPEGE)
  10. Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional (Anpur)
  11. Comitê Brasileiro de História da Arte (CBHA)
  12. Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos Brasil)
  13. Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura e Urbanismo (FENEA)
  14. Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) e a
  15. Seção Brasileira do Comitê Internacional para a Documentação e Conservação de Edifícios, Sítios e Conjuntos do Movimento Moderno (Docomomo Brasil).

Serviço

  • O que: Lançamento do Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro
  • Quando: Dia 10 de outubro, às 13 horas.
  • Onde: Praça da Alfândega, no Centro Histórico de Porto Alegre, onde ocorre o 21º Congresso Brasileiro de Arquitetos

Sobre o Autor

Redação administrator

Jornalista, Porto Alegre, RS Brasil.