Divulgado documento que defende políticas públicas na área ambiental

Captura de tela 2018-10-06 20.50.00Na última sexta-feira, 5/10/2018, diversas Redes e entidades que tem foco de atuação na questão ambiental divulgaram a seguinte Carta Aberta dirigida aos candidatos a serem eleitos na eleição deste domingo, 7/10/2018, para os cargos de Deputados Estaduais, Governadores, Deputados Federais, Senadores e Presidente da República.  São seis pontos que defendem políticas públicas e a proteção da biodiversidade, dentre outros.

Segue a íntegra:

Carta Aberta aos Candidatos a cargos eletivos

O FUTURO DO BRASIL, O MEIO AMBIENTE E A ELEIÇÃO DE 2018

O cenário no qual as eleições majoritárias de 2018 acontecem no Brasil é bastante crítico para a gestão ambiental e para as políticas públicas que cuidam de nossa natureza,  desenhadas nas últimas décadas.

Graças à Constituição Federal de 1988, a sociedade brasileira estabeleceu um capítulo fundamental para a defesa da vida, presente no artigo 225, que diz em essência:

Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

Desde então, o Estado brasileiro constituiu muitos mecanismos de proteção ambiental que garantem o ordenamento do uso do solo em áreas rurais e urbanas, um sistema amplo de áreas protegidas, a Lei da Mata Atlântica, a proteção dos rios e nascentes, a conservação da biodiversidade, a gestão de produtos tóxicos, o licenciamento de atividades de potencial poluidor e muitos mecanismos que promovem a natureza e o seu uso sustentável.

Nem todos os dispositivos definidos no artigo 225 foram implementados, e muitas das legislações que sustentaram a política ambiental nesse período  foram flexibilizadas de modo prejudicial ao meio ambiente, a exemplo do Código Florestal, mas vemos que a união, os estados e municípios constituem, hoje, aquilo que chamamos Sistema Nacional de Meio Ambiente, que lidam com o planejamento urbano, atividades minerais, industriais,  agricultura e também ecossistemas florestais, savanas, campos e áreas úmidas que integram os biomas brasileiros (Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal Matogrossense e Pampa).

O orçamento aprovado para o Ministério do Meio Ambiente (MMA) e seus órgãos vinculados em 2018 – como o IBAMA, o Serviço Florestal Brasileiro, o  Instituto Chico Mendes, a Agência Nacional das Águas, o Fundo Nacional de Meio Ambiente e o Jardim Botânico do Rio de Janeiro,  sofreu uma redução de 12% em relação ao ano anterior. O corte orçamentário agravou a situação de uma área do Estado brasileiro que já enfrenta enormes desafios, fragilidades e pressões políticas que visam a redução de áreas protegidas, flexibilização de licenciamento, liberação da caça de animais silvestres, entre outras propostas que tramitam no legislativo e que podem afetar o que a sociedade mais estima no Brasil, além da cultura – a nossa natureza, representada pelo verde de nossa bandeira.

A fragilidade das estruturas de meio ambiente, imposta nos últimos anos,  também se reflete no esvaziamento dos espaços institucionais de participação cidadã, como o Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), o Conselho Nacional de Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT), a Comissão Nacional de Biodiversidade (CONABIO), entre outros.

É imperativo que a nova gestão federal enfrente esse quadro com mais atenção e recursos, priorizando uma agenda socioambiental que assegure ao país a liderança natural na agenda de conservação e uso sustentável da natureza e de enfrentamento das mudanças climáticas, à altura de sua posição de país mais biodiverso do planeta.

Causa enorme preocupação  o fato de a maioria dos candidatos descreverem superficialmente sobre como vão lidar com o meio ambiente. Como agravo, determinado candidato, propôs irresponsavelmente extinguir o Ministério do Meio Ambiente, subordinando-o ao Ministério da Agricultura, para agradar interesses menores de parte do setor rural do país.

E, considerando que:

O cumprimento da legislação ambiental, no que se refere a proteção do Patrimônio Natural brasileiro, representa uma demanda imprescindível para a garantia da qualidade de vida da população brasileira, urbana e rural, da manutenção de condições para atividades agropecuárias e para os demais setores da economia.

A disponibilidadede ampla gama de serviços ecossistêmicos e a atenção sobre nossas áreas naturais como um ativo excepcional para atividades de turismo são um vetor econômico de enorme representatividade, somando-se aos demais objetivos que a agenda de conservação do meio ambiente encerra.

REQUEREMOS aos candidatos à Presidência da República e aos futuros parlamentares o compromisso mínimo, constitucional, com a democracia a seguinte

Agenda:

  1. Garantir a autonomia do Ministério do Meio Ambiente, evitando toda e qualquer possibilidade de fusão, seja com o Ministério da Agricultura, seja com outra pasta, pelas competências e atributos específicos que essa área requer;
  2. Fortalecimento das Políticas Públicas de gestão do meio ambiente, incluindo o licenciamento ambiental de projetos de infraestrutura mediante critérios técnicos, com qualidade e rigor científico;
  3. Manutenção e fortalecimento de políticas públicas de garantia de espaços especialmente protegidos, seja para a conservação da biodiversidade, seja para os territórios indígenas, quilombolas e demais comunidades tradicionais;
  4. O cumprimento dos acordos internacionais assumidos pelo Brasil relacionados à sociobiodiversidade, à sustentabilidade e a pauta climática, como a conservação e a restauração de florestas, conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos e o aperfeiçoamento da nossa matriz energética;
  5. Proteger a fauna e a flora, evitando a extinção de espécies ou submeter os animais à crueldade, especialmente evitando a caça de animais silvestres, salvo em situações excepcionais já previstas na legislação.
  6. Seguir investindo na melhoria das instituições que promovem o meio ambiente no Brasil, em todas as instâncias da federação, promovendo a cultura, a economia e a sociedade sustentável em todas as esferas e setores, no âmbito da agricultura, a energia, mineração, indústria e o desenvolvimento rural e urbano, dentre outros.

O futuro do Brasil, como sabemos, depende do cuidado da sociedade e do Estado com as nossas florestas e rios, com a nossa paisagem e megabiodiversidade, a gestão ambiental efetiva de regiões industriais e a conservação dos recursos da nossa costa e do bioma marinho, e isso se faz com responsabilidade institucional e competência técnica.

Assinam:

REDES

  • Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociaispara o Meio Ambiente e o Desenvolvimento(FBOMS)
  • Rede Ambiental do Piauí-REAPI
  • Rede Cerrado
  • Rede de Organizações Não Governamentais da Mata Atlântica o RMA
  • Rede Mosaicos de Áreas Protegidas – REMAP
  • Reserva da Biosfera da Mata Atlântica – RBMA

INSTITUIÇÕES

  • APROMAC – Associação de Proteção ao Meio Ambiente
  • Aquasis – Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos
  • ASPOAN – Associação Potiguar Amigos da Natureza
  • Associação Civil Alternativa Terrazul
  • Associação Cunhambebe da Ilha Anchieta-ACIA
  • Associação de Portadores de Deficiência Física e Doenças Crônicas dos Municípios de Miguel Pereira e Paty do Alferes
  • Associação Defensores da Terra
  • Associação dos Criadores de Abelhas Nativas e Exóticas do Médio Paraíba, Sul, Centro-Sul e Baixada Fluminense
  • Associação Ecológica Força Verde
  • Associação em Defesa do Rio Paraná, Afluentes e Mata Ciliar-APOENA
  • Associação Flora Brasil
  • Associação Mar Brasil
  • Associação Mico-Leão-Dourado-AMLD
  • Associação Mineira de Defesa do Ambiente – AMDA
  • Associação para a Conservação das Aves do Brasil – SAVE Brasil
  • Associação para a Gestão Sócio-Ambiental do Triângulo Mineiro – ANGÁ
  • Centro de Desenvolvimento Agroecológico do Extremo Sul da Bahia-Terra Viva
  • Centro de Educação Ambiental São Bartolomeu – CEASB
  • Cineclube Socioambiental “EM PROL DA VIDA”
  • Comissão Ilha Ativa-CIA
  • Crescente Fértil-Projetos Ambientais, Culturais e de Comunicação
  • Grupo de Desenvolvimento Humano e Ambiental Instituto Goiamum
  • Grupo de Estudos em Educação e Meio Ambiente
  • IGRÉ Associação Socio-ambientalista
  • ING – Instituto Os Guardiões da Natureza
  • Iniciativa Verde The Green Initiative
  • Instituto Ambiental Conservacionista 5º Elemento
  • Instituto Centro de Vida – ICV
  • Instituto de Permacultura e Ecovilas da Mata Atlântica
  • Instituto de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental – SPVS
  • Instituto Ecoar para a Cidadania
  • Instituto Floresta Viva
  • Instituto Mira-Serra
  • IPÊ-Instituto de Pesquisas Ecológicas
  • ITPA – Instituto Terra de Preservação Ambiental
  • Laboratório de Gestão de Serviços Ambientais da UFMG – LAGESA
  • Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais
  • MOVE-Movimento Verde
  • Núcleo Sócio Ambiental Araçá-piranga
  • Projeto Saúde e Alegria
  • Rede de Educação Ambiental do Rio de Janeiro
  • Rede de Educadores Ambientais da Baixada de Jacarepaguá
  • Reserva Ecológica de Guapiaçu – REGUA
  • Sociedade Angrense de Proteção Ecológica-SAPÊ
  • Sociedade Nordestina de Ecologia-SNE
  • TOXISPHERA – Associação de Saúde Ambiental
  • UPPAN – União Pedritense de Proteção ao Ambiente Natural
Previous post Rio de Janeiro realiza painel sobre os 30 anos de luta pelas baleias
Next post Feira dos Agricultores Ecologistas completa 29 anos
Send this to a friend