Nobel alternativo premia os defensores climáticos, entre eles o brasileiro Davi Kopenawa e a sueca Greta Thunberg

porRedação

Nobel alternativo premia os defensores climáticos, entre eles o brasileiro Davi Kopenawa e a sueca Greta Thunberg

Captura de Tela 2019-09-27 às 12.32.42.png

O Prêmio Right Livelihood, amplamente conhecido como ‘Prêmio Nobel Alternativo’, comemora seu 40º aniversário este ano. O prêmio de 2019 vai para Aminatou Haidar (Saara Ocidental), Guo Jianmei (China), Greta Thunberg (Suécia) e Davi Kopenawa / Associação Hutukara Yanomami (Brasil). Os Laureados foram anunciados em Estocolmo, Suécia, na quarta-feira 25/9/2019. A cerimônia de entrega das premiações ocorrerá em 4 de dezembro.

Anteriormente, já receberam a premiação o gaúcho José Antônio Lutzenberger e também Leonardo Boff.

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa no Centro Internacional de Imprensa do Ministério de Relações Exteriores da Suécia.

Ole von Uexkull, diretor executivo da Right Livelihood Foundation, comentou: “Com o Right Livelihood Foundation de 2019, honramos quatro visionários práticos cuja liderança capacitou milhões de pessoas a defender seus direitos inalienáveis ​​e a lutar por um futuro habitável para todos no planeta Terra. Além do prêmio em dinheiro, oferecemos apoio a longo prazo aos Laureados e ajudaremos a proteger aqueles cujas vidas e liberdade estão em perigo. ”

O júri internacional selecionou quatro laureados que receberão 1 milhão de coroas suecas (94.000 euros):

A defensora dos direitos humanos Aminatou Haidar (Saara Ocidental) recebe o prêmio Right Livelihood Award “por sua ação firme e não violenta, apesar da prisão e tortura, em busca de justiça e autodeterminação para o povo do Saara Ocidental”.

Mais de 30 anos de campanha pacífica pela independência de sua terra natal, deram a Haidar o apelido de “Saharaui Gandhi”. Sua dignidade e determinação fazem dela um dos líderes mais respeitados entre os saharauis. É a primeira vez que um Prêmio de Subsistência Correto é concedido a um Laureado do Saara Ocidental.

Aminatou Haidar comentou:

Sinto-me muito honrado em receber o renomado Prêmio Right Livelihood. Este é um reconhecimento da minha luta não violenta e a justa causa do povo saharaui. Apesar da ocupação militar e violações dos direitos humanos fundamentais, eles continuam sua luta pacífica. Os saharauis merecem ser apoiados por todos, para que, um dia, alcancem independência e liberdade.

A advogada Guo Jianmei (China) recebe o prêmio Right Livelihood Award “por seu trabalho pioneiro e persistente em garantir os direitos das mulheres na China” .

Guo é um dos advogados mais destacados no campo dos direitos das mulheres na China. Ao longo de sua carreira, ela ajudou milhares de mulheres desfavorecidas a obter acesso à justiça.

Guo Jianmei comentou:

“Este prêmio reconhece e reconhece os esforços de minha equipe e de mim para defender os direitos das mulheres e promover a democracia e o estado de direito na China, em circunstâncias difíceis nos últimos 25 anos. Atualmente, o trabalho legal pro bono na China enfrenta enormes desafios. Para permanecermos firmes, precisaremos de mais paixão, coragem, perseverança e comprometimento. Este prêmio serve como incentivo e motivação.

A ativista climática Greta Thunberg (Suécia) recebe o prêmio Right Livelihood Award “por inspirar e ampliar demandas políticas por ações climáticas urgentes que refletem fatos científicos” .

Thunberg é a voz poderosa de uma geração jovem que terá de suportar as consequências do fracasso político de hoje em parar as mudanças climáticas. Sua determinação em não suportar o iminente desastre climático inspirou milhões de colegas a também levantar a voz e exigir ação climática imediata.

Greta Thunberg comentou:

Estou profundamente agradecido por ser um dos destinatários desta grande honra. Mas é claro que, sempre que recebo um prêmio, não sou eu quem ganha. Faço parte de um movimento global de crianças em idade escolar, jovens e adultos de todas as idades que decidiram agir em defesa do nosso planeta vivo. Eu compartilho esse prêmio com eles. O Right Livelihood Award é um enorme reconhecimento às sextas-feiras para o futuro e ao movimento de greve climática. Muito obrigado!

O líder indígena Davi Kopenawa, do povo Yanomami, e a Associação Hutukara Yanomami (Brasil), em conjunto, recebem o prêmio Right Livelihood Award “por sua determinação corajosa em proteger as florestas e a biodiversidade da Amazônia, e as terras e a cultura de seus povos indígenas” .

Kopenawa é um dos líderes indígenas mais respeitados do Brasil. Ele dedicou sua vida a proteger os direitos Yanomami, sua cultura e terras na Amazônia. Kopenawa é co-fundador e presidente da Associação Hutukara Yanomami, que está conservando a floresta tropical e promovendo os direitos indígenas no Brasil.

Davi Kopenawa commented:

Estou muito feliz em receber o prêmio. Vem na hora certa e é uma demonstração de confiança em mim e em Hutukara e em todos aqueles que defendem a floresta e o planeta Terra. O prêmio me dá forças para continuar a luta para defender a alma da floresta amazônica. Nós, os povos do planeta, precisamos preservar nossa herança cultural, como Omame [o Criador] ensinou – a viver bem cuidando de nossa terra, para que as gerações futuras continuem a usá-la. ”

O júri internacional considerou 142 indicações de 59 países, após um processo aberto. O prêmio em dinheiro é designado para apoiar o trabalho dos laureados, não para uso pessoal.

  • Os vencedores receberão seus prêmios na celebração do prêmio Right Livelihood 2019 em Estocolmo, no dia 4 de dezembro. Com a comemoração dos 40 anos, o público é convidado pela primeira vez a participar de sua apresentação. Edward Snowden, que recebeu o Right Livelihood Award em 2014, participará da celebração por link de Moscou e os artistas José González e Ane Brun se apresentarão no evento. Os ingressos para a celebração do prêmio estão disponíveis no Cirkus.se .

Sobre os Laureados

Captura de Tela 2019-09-27 às 12.41.36Aminatou Haidar (Saara Ocidental)

Aminatou Haidar é um destacado ativista não-violento e defensor dos direitos humanos do Saara Ocidental. A Espanha, antiga potência colonial, abandonou o território disputado em 1975 e o Marrocos imediatamente o anexou. Mais de 30 anos de campanha pacífica pela independência de sua terra natal, deram a Haidar o apelido de “Saharaui Gandhi”. Sua dignidade e determinação fazem dela um dos líderes mais respeitados entre os saharauis.

Os povos indígenas do Saara Ocidental, os saharauis, foram repetidamente prometidos o direito à autodeterminação pela ONU, Espanha e Marrocos. Mas mais de 40 anos se passaram sem a realização de um referendo, com a comunidade internacional indiferente ou mesmo cúmplice na ocupação.

Aminatou Haidar iniciou seu ativismo na adolescência e é uma das fundadoras do movimento saharaui de direitos humanos. Ela organizou manifestações, documentou casos de tortura e realizou várias greves de fome para aumentar a conscientização sobre as violações sofridas por seu povo. Haidar é co-fundador e presidente da organização de direitos humanos Collective of Sahrawi Human Rights Defenders (CODESA). Ela desempenha um papel crucial ao chamar a atenção internacional para a questão não resolvida do Saara Ocidental, que por muito tempo foi negligenciada pela ONU, pela UE e pela mídia.

Desde os primeiros dias de sua ocupação, as autoridades marroquinas suprimiram os saharauis exigindo o direito à autodeterminação e ao respeito dos direitos humanos fundamentais. Como muitos outros ativistas saharauis, Aminatou Haidar foi espancado, torturado e detido sem acusações ou julgamento. Ela passou quatro anos em uma prisão secreta, isolada do mundo exterior.

Apesar das ameaças de morte e assédio, dirigidas a si e aos seus dois filhos, Aminatou Haidar faz campanha incansavelmente por uma solução política para um dos mais longos conflitos congelados do mundo e tenta incutir os méritos da ação não violenta na próxima geração de saharauis.

Ole von Uexkull comentou: “O povo saharaui está sob ocupação marroquina há mais de 40 anos e qualquer oposição é brutalmente punida. A coragem e determinação de Aminatou Haidar em organizar resistência não-violenta e se expressar internacionalmente são uma inspiração para todos que acreditam na justiça. ”

Captura de Tela 2019-09-27 às 12.41.52Guo Jianmei (China)

Guo Jianmei é um dos advogados mais destacados no campo dos direitos das mulheres na China.

Ao longo de sua carreira, ela ajudou milhares de mulheres desfavorecidas a obter acesso à justiça. Ela aborda sistematicamente o viés de gênero no sistema judiciário e ajuda a aumentar a conscientização de gênero na China, um país com cerca de 650 milhões de mulheres.

Guo Jianmei fundou e dirigiu várias organizações para a proteção dos direitos das mulheres. Como a primeira advogada de interesse público da China trabalhando em tempo integral em assistência jurídica, ela introduziu com sucesso o conceito de serviços jurídicos gratuitos para pessoas marginalizadas no contexto chinês. Desde 1995, ela e suas equipes oferecem aconselhamento jurídico gratuito a mais de 120.000 mulheres em toda a China e participam de mais de 4.000 ações judiciais para reforçar os direitos das mulheres e promover a igualdade de gênero.

O trabalho de Guo Jianmei destaca o estado dos direitos das mulheres na China, onde uma em cada quatro mulheres casadas sofreu alguma forma de violência doméstica nas mãos de um marido, e a discriminação de gênero no local de trabalho é galopante. Guo orienta as mulheres em processos judiciais e realiza advocacia em nível nacional em questões como remuneração desigual, assédio sexual, contratos de trabalho que proíbem a gravidez e forçam a aposentadoria antecipada sem remuneração. Na China rural, onde as atitudes patriarcais ainda estão profundamente enraizadas, Guo fornece apoio legal às mulheres que tiveram seus direitos à terra negados. Em 2005, ela criou a Rede de Advogados de Interesse Público da China, que reúne mais de 600 advogados sem fins lucrativos que podem atender casos, mesmo em regiões remotas da China. Juntamente com os colegas, ela também forneceu um grande número de comentários e pesquisas legais que levaram ao aprimoramento e aprimoramento das leis e regulamentos relevantes.

Diante de um espaço extremamente reduzido para a sociedade civil na China, Guo Jianmei mostrou coragem e extraordinária resistência. Seu trabalho continua a impactar a vida de milhões de mulheres chinesas.

Ole von Uexkull comentou: “Guo Jianmei é pioneiro dos direitos das mulheres. Ela prestou apoio jurídico a milhares de mulheres chinesas e demonstrou como a lei pode ser usada para combater com êxito a discriminação de gênero. ”

Captura de Tela 2019-09-27 às 12.41.22Greta Thunberg (Suécia)

Greta Thunberg é uma ativista climática adolescente da Suécia. Ela é a voz poderosa de uma geração jovem que terá de suportar as consequências do fracasso político de hoje em parar as mudanças climáticas. Sua determinação em não suportar o iminente desastre climático inspirou milhões de colegas a também levantar a voz e exigir ação climática imediata.

Em agosto de 2018, com as eleições parlamentares suecas a apenas algumas semanas de distância, Greta Thunberg, de 15 anos, viu com desespero como os políticos careciam de estratégias para combater as mudanças climáticas – se eles se importavam com o assunto. Sabendo que a vida das gerações atuais e futuras depende da limitação do aquecimento global a 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais, Thunberg tomou o assunto por conta própria. Ela entrou em “greve escolar pelo clima” fora do Parlamento sueco.

A iniciativa foi amplamente adotada on-line e na mídia, e jovens ativistas se juntaram a Thunberg do lado de fora do prédio do Parlamento. Outros organizaram greves escolares em outros lugares. O movimento #FridaysForFuture nasceu e milhões de pessoas – jovens e velhas – foram às ruas desde então.

Impulsionada por sua compreensão científica da crise climática e pela resposta insuficiente da política e da sociedade ao problema, tornou-se a missão de Thunberg promover ações contra as mudanças climáticas. Ela personifica a noção de que todos têm o poder de criar mudanças. Seu exemplo inspirou e capacitou pessoas de todas as esferas da vida a exigir ação política.

Thunberg continua transmitindo incansavelmente sua mensagem: reconheça os fatos, perceba a urgência da crise climática e aja de acordo. Ela fala em conferências de alto nível, conhece líderes mundiais e orienta um crescente movimento global.

Muitas pessoas antes de Thunberg tentaram transmitir a urgência da ação climática imediata. Ninguém teve mais sucesso. Sua maneira intransigente de falar a verdade ao poder ressoa com o público. Greta Thunberg conseguiu colocar a crise climática não apenas na capa dos jornais, mas também na mente das pessoas.

Ole von Uexkull comentou: “Com o Prêmio a Greta Thunberg, homenageamos um dos líderes da sociedade civil mais eficazes de nosso tempo e celebramos o poder de todo ser humano de fazer a diferença.”

Captura de Tela 2019-09-27 às 12.41.08Associação Davi Kopenawa / Hutukara Yanomami

Davi Kopenawa, do povo Yanomami, é um dos líderes indígenas mais respeitados do Brasil. Ele dedicou sua vida a proteger os direitos Yanomami, sua cultura e terras na Amazônia. Seu território está entre os reservatórios de diversidade genética mais importantes do planeta, mas a alta pressão política para explorar os recursos naturais da Amazônia está instigando invasões de terras indígenas. A violência, a devastação e as doenças que se seguem representam uma ameaça severa à biodiversidade e à própria existência de tribos indígenas.

O povo Yanomami é uma das tribos indígenas mais populosas do Brasil, com cerca de 35.000 membros. A área combinada habitada pelos Yanomami no Brasil e na Venezuela o torna o maior território indígena habitado por uma tribo em uma floresta tropical do mundo – maior que a Grécia.

Vinte por cento dos Yanomami morreram em apenas sete anos nas décadas de 1980 e 1990, depois que os garimpeiros destruíram aldeias, mataram pessoas e expuseram a população a doenças às quais eles não têm imunidade. Hoje, essas ameaças estão aumentando novamente. Kopenawa desempenha um papel fundamental na união das comunidades indígenas para resistir aos mineiros, fazendeiros e outros interesses poderosos, destruindo as terras e os meios de subsistência dos Yanomami para obter ganhos financeiros. Ele foi fundamental para garantir a demarcação de 1992 dos terrenos Yanomami no Brasil, com mais de 96.000 quilômetros quadrados. O ativismo de longa data de Kopenawa ganhou muitos inimigos poderosos, e ele continuamente enfrenta ameaças de morte.

Davi Kopenawa é co-fundador e presidente da Associação Hutukara Yanomami. Criada em 2004, a organização une e representa comunidades Yanomami diferentes no Brasil, promovendo os direitos indígenas no país. Hutukara também está conservando a floresta tropical. À luz do rápido declínio da biodiversidade em todo o mundo e do agravamento dos efeitos das mudanças climáticas, é significativo o conhecimento dos Yanomami sobre como preservar e habitar de maneira sustentável suas terras, para o benefício de todos.

Ole von Uexkull comentou: “Davi Kopenawa está, junto com a Associação Hutukara Yanomami, resistindo com sucesso à exploração implacável de terras indígenas na Amazônia, protegendo nossa herança planetária comum”.

Sobre o prêmio Right Livelihood

Estabelecido em 1980, o Right Livelihood Award homenageia e apoia pessoas corajosas na solução de problemas globais. Até o momento, existem 178 laureados de 70 países .

A Fundação Sueca para o Direito à Subsistência, apresentando o Prêmio, vê seu papel como megafone e escudo para os laureados e oferece apoio a longo prazo. Ele procura ajudar a proteger os ganhadores do prêmio cuja vida e liberdade estão em perigo. A Fundação possui status consultivo especial com o Conselho Econômico e Social da ONU.

Qualquer pessoa pode propor candidatos a serem considerados para o Prêmio Right Livelihood. Os laureados são selecionados por um júri internacional após uma investigação cuidadosa pela equipe de pesquisa da Fundação. Diferente da maioria dos outros prêmios internacionais, o Right Livelihood Award não possui categorias. Reconhece que, ao se esforçar para enfrentar os desafios do mundo de hoje, o trabalho mais inspirador e notável muitas vezes desafia qualquer classificação padrão.

Como tudo começou – A Fundação Nobel rejeitou um prêmio ambiental
Em 1979, o filantropo sueco-alemão e colecionador de selos Jakob von Uexkull procurou a Fundação Nobel com a proposta de criar dois novos prêmios Nobel, um prêmio ambiental e um prêmio para promover o conhecimento e as perspectivas das pessoas nos países pobres. Para financiar os prêmios, ele se ofereceu para vender sua coleção de selos, no valor de mais de um milhão de dólares, e doar o dinheiro à Fundação Nobel.

Jakob ficou alarmado com a desconexão entre a urgência dos problemas globais e a maneira como a comunidade internacional estava lidando com eles. Ele viu como os tomadores de decisão se encontravam a portas fechadas, fora de contato com a realidade. Ativistas e organizações da sociedade civil se reuniam ao mesmo tempo fora das salas de reuniões, apresentando frequentemente soluções construtivas para os problemas. Mas suas propostas não foram levadas a sério, e Jakob queria fazer algo a respeito.

“Quem receber o Prêmio Nobel será ouvido”, ele pensou e contatou a Fundação Nobel, que educadamente rejeitou a proposta de estabelecer dois novos prêmios. Aí Jakob decidiu criar o Prêmio Right Livelihood para apoiar as pessoas que lutavam por um mundo justo, pacífico e sustentável. Ele foi em frente e vendeu partes da coleção de selos, e foi assim que tudo começou. O Prêmio Right Livelihood recebeu muita atenção quando foi apresentado pela primeira vez em 1980, um dia antes do Prêmio Nobel. Hoje, é um dos prêmios de maior prestígio em sustentabilidade, justiça social e paz.

A renda proveniente da venda de selos gerou meios suficientes para dar o prêmio, mas desde que o Right Livelihood Award recebe financiamento de doadores privados. Uma característica única é que o Prêmio vem com suporte de longo prazo, que inclui redes e proteção para os Laureados sob ameaça. Por causa de sua história de fundação, passou a ser conhecido como o ‘Prêmio Nobel Alternativo’.

Sobre o Autor

Redação administrator

Jornalista, Porto Alegre, RS Brasil.