Proibida a Caça ao Leitão em festa que ocorrerá no próximo domingo em Linha Imperial, no RS

Captura de Tela 2019-11-22 às 20.19.46Porto Alegre, RS – O Desembargador Carlos Roberto Lofego Caníbal, da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do RGS, concedeu medida liminar em que proíbe a atividade denominada Caça ao Leitão durante o evento Festa do Leitão, no próximo domingo (24/11), ou qualquer outra data, se transferido.  Em decorrência da decisão, os organizadores já anunciaram que não haverá a atividade com os animais de verdade.

A ação civil pública foi ajuizada pela entidade União Pela Vida contra o Município de Nova Petrópolis e a Associação Cultural e Esportiva Concórdia de Linha Imperial. O pedido havia sido indeferido em primeira instância. A UPV, então, recorreu ao Tribunal de Justiça.

Caso descumprida a decisão (Proc. nº 5011301-82.2019.8.21.7000), a multa é de R$ 50 mil a cada vez que realizada esta atividade e fica configurado o crime de desobediência por parte do Prefeito Municipal e demais responsáveis pelo evento.

O Desembargador também determinou que seja expedido mandado de acompanhamento e fiscalização, a ser cumprido na data, hora e local do evento.

NOVIDADE

Os organizadores já anunciaram nesta sexta-feira (22/11) que a festa terá uma novidade: “em respeito ao bem estar dos animais nesse ano não haverá CAÇA AO LEITÃO com animais de verdade”.  O prêmio continuará a ser um leitão, “a estrela da festa“.

DECISÃO

Em sua decisão, o magistrado entendeu que é evidente a crueldade contra os animais que participam da chamada Caça ao Leitão.

“Ainda que não se tivesse – e se tem – laudos e pareceres de médicos veterinários nos autos acerca do sofrimento impingido aos animais, qualquer cidadão médio é capaz de auferi-lo, basta, com efeito, o mínimo de sensatez. Ora, muito embora não seja objetivo da atividade submeter os animaizinhos a sofrimento, não se tem dúvidas de que o simples ato de persegui-los, caçando-os a qualquer preço, impondo-lhes agonia e pavor, por si só se caracteriza como de uma crueldade imensa. Crueldade esta que lhes é imposta pelo homem pelo mero prazer, pelo orgulho de ser ‘aquele que conseguiu apanhar o leitão antes de todos’. Com isto, ocasionam ao pobre animal sofrimento gratuito – não apenas porque os agarram de qualquer forma, por qualquer parte do corpo (não raro pelas patas, pelas orelhas, pelo rabo, como se depreende das imagens das fotografias e vídeos), mas também porque lhes causam sofrimento psíquico, aguçando seu instinto de fuga, de sobrevivência. E tudo isto, reitero, por mero prazer, por pura diversão.”

O Desembargador ainda afirmou que a submissão dos animais a essa crueldade fere não apenas a garantia constitucional de preservação do meio ambiente, mas também a proteção dos animais e o seu direito de que não sejam submetidos à violência e à crueldade.

O mérito da ação será julgado pelos Desembargadores da 1ª Câmara Cível do TJRS.

Mais informações

 

Texto de Patrícia da Cruz Cavalheiro, da Imprensa do TJRS, com adições e atualizações de responsabilidade da redação do AgirAzul.com. 
Previous post Livro trata de alternativas para compensar desastres ambientais
Next post Cânion do Funil nos Aparados da Serra pode ser afetado por complexo eólico
Send this to a friend