Categoria Apedemars

porRedação

Manifestações em favor do Pampa acontecem neste domingo no Rio Grande do Sul

Neste domingo, 17/12, será comemorado o Dia do Bioma Pampa. A data coincide com a do nascimento de José Lutzenberger, em Porto Alegre, em 1926, Um total de 178 mil km2, cenário único, exclusivo do Rio Grande do Sul, está em grave risco de ser destruído. Entidades ambientalistas filiadas à APEDEMA, a federação que reúne a maior delas, estão em campanha pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição Federal – PEC 05/2009, apresentada pelo Senador Paulo Paim ao Congresso Nacional. O texto descreve o bioma dos Campos Sulinos como patrimônio nacional.   

Mais em   http://goo.gl/1aJzU8

Captura de Tela 2017-12-15 às 21.46.58.jpeg

porRedação

Zona Sul de Porto Alegre e a especulação imobiliária é o tema da próxima Quarta Temática, dos Amigos da Terra Brasil

captura-de-tela-2016-10-23-as-21-21-21

A próxima Quarta Temática promovida pelos Amigos da Terra Brasil terá como tema a especulação imobiliária da Zona Sul de Porto Alegre.  O evento iniciará dia 26 de outubro às 18h30min, na sede da entidade, na rua Olavo Bilac, 192, bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, RS.  Ler mais

porRedação

Gestão da fauna no RS tem comportamento de ´camaleão´ afirma Curicaca

Captura de Tela 2015-09-23 às 10.08.48Para o Instituto Curicaca, associado da APEDeMA/RS, que preside o Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, embora a SEMA (secretaria que cuida da área ambiental no Governo do Estado) afirme ter boa intenções, falta demonstrar a mesma com medidas concretas. No ano passado, a ONG organizou, em parceria com a UFRGS e o Ministério Público, o “Seminário estadual de gestão da fauna silvestre no Rio Grande do Sul”, que teve entre suas recomendações o fortalecimento do Setor de Fauna da SEMA.

A nota do Instituto Curicaca, divulgada em seu site (ver íntegra) afirma ainda que:

Uma medida nesse sentido, apontada pelos participantes, seria o chamamento dos técnicos concursados. Quando a diretora do Departamento de Biodiversidade informa que a Sema pretende chamá-los, fica no ar a pergunta: o que está sendo feito de fato para que isso aconteça? Pelo que se sabe, mesmo que o Governador Sartori tenha suspendido os chamamentos, as vagas necessárias já poderiam ter sido abertas na Sema, o que ainda não ocorreu desde o início da gestão. Entre demandas reais e soluções hipotéticas, o Comitê resolveu pedir que a Sema apresente na sua próxima reunião, em novembro, um plano com ações concretas para tirar a gestão da fauna silvestre da situação frágil na qual se encontra. A conselheira Carla Fontana (PUCRS), que tem décadas de trabalho com fauna, sugeriu que para cada necessidade de gestão seja apresentado o que, o como e o quando fazer. A diretora do DBio disse que faria o possível para atender a demanda e, assim, a pauta da reunião de novembro já ficou fechada.

porRedação

Manifesto: Que tal cobrir Porto Alegre de verde?

melgarejoO seguinte manifesto foi lido pelo Presidente da AGAPAN, Leonardo Melgarejo, na Tribuna Popular da Câmara de Vereadores de Porto Alegre na última segunda-feira, 14 de março de 2016:
A Agapan agradece à Câmara de Vereadores a oportunidade de manifestar sua interpretação a respeito da crise que se desenhou em Porto Alegre com vendaval inédito em sua magnitude, mas previsível em função das mudanças climáticas em andamento.
Estes eventos se repetirão e devemos nos preparar para isso. É sabido que no futuro próximo precisaremos de legislação e mecanismos institucionais adequados às pressões do clima em mutação. Ler mais

porRedação

Lançado manifesto em Defesa das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade

Exatas 37 entidades da área ambiental e socioambiental e por 23 pesquisadores de instituições científicas de várias instituições brasileiras remeteram neste sábado, 23/1/2015, para a Presidente da República Dilma Rousseff e para a Ministra do Meio Ambiente Isabela Teixeira o Manifesto em Defesa das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade (APBio).  A data marca os nove anos da edição da Portaria n. 9/2007/MMA que definia o Mapa das Áreas Prioritárias para a Biodiversidade.  Ler mais

porRedação

Vídeo explica a importância da Zoobotânica

A Professora Ana Carolina Martins da Silva, da UERGS, e militante ambientalista da AGAPAN, GESP e ASPAN, associadas da APEDeMA/RS, gravou depoimento do Professor da UFRGS Paulo Brack, do INGá, sobre a proposta do Executivo Estadual de extinguir a Fundação Zoobotânica.

Confira o Vídeo com o pedido de apoio contra a proposta de sua Extinção e a demissão de seus funcionários, pelo atual Governo Estadual, como “estratégia” de economia financeira

Paulo Brack fala sobre a possibilidade de extinção da Zoobotânica

Clique na fotografia para acessar o vídeo

CRÉDITOS

Depoimentos e imagens:
Prof. Dr. Paulo Brack (UFRGS), representante do INGÁ/RS na Coordenação da APEDEMA/RS.
Profa. Me. Ana Carolina Martins da Silva (UERGS), associada da AGAPAN/RS, do GESP/RS e da ASPAN/RS, entidades membros da APEDEMA/RS.
Trilha: vozes e manifestações de Movimentos Sociais.
Gravado e Editado em Porto Alegre/RS – 08/08/2015.

porRedação

AGAPAN lança Nota Pública contra a extinção da FZB

Captura de Tela 2015-08-08 às 08.04.28Após o anúncio feito pelo governo do Estado do RS nesta quinta-feira (6) de que pretende extinguir, entre outras, a Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul (FZB), a AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural – vem a público manifestar seu repúdio à infeliz iniciativa do Governo e apoio aos profissionais e servidores da FZB.
Com esta proposta, o governo do Estado demonstra total incapacidade de reconhecer a importância para a população gaúcha de uma das mais respeitáveis estruturas públicas do Rio Grande do Sul, a Fundação Zoobotânica, órgão que é referência da pesquisa científica gaúcha.
A FZB é constituída pelo Museu de Ciências Naturais, pelo Jardim Botânico e pelo Parque Zoológico. A proposta de extinção deste importante órgão, que há mais de 42 anos vem desenvolvendo pesquisas no RS, abala o saber científico em nosso estado. A Fundação Zoobotânica, sempre destacou-se pelo alto nível de seus técnicos, bem como pela excelência e comprometimento de suas pesquisas, cujo trabalho a tornou respeitada e reconhecida internacionalmente.
A extinção da Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul representa um retrocesso para a biodiversidade e para o povo gaúcho!
porRedação

Convocada Assembleia-Geral para eleição na APEDeMA/RS

LOGOO membro da Coordenação da Assembleia Permanente das Entidades de Defesa do Meio Ambiente do RS – APEDEMA/RS, Eduíno de Mattos, divulgou hoje (11/5) a convocação para a Assembleia-Geral Ordinária da entidade com a pauta única de eleição de nova Coordenação. O encontro será dia 20 de junho de 2015, entre 9 e 13 horas, em Porto Alegre.

Até 13 de junho, as entidades interessadas poderão apresentar chapas. Caso haja mais de uma composição candidata, haverá a constituição de uma Comissão Eleitoral, afirmou Eduíno.

porRedação

Entidades Ambientalistas vão à reunião com Governo do RS e entregarão documento

Representantes das entidades ambientalistas do RS filiadas à APEDEMA/RS se reunirão nesta quarta-feira (14/1) com a Secretária Ana Maria Pellini, do Meio Ambiente do Governo do Rio Grande do Sul, à convite desta. A Secretária, em papel timbrado da nova Secretaria do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, e assinando como ‘Secretária Estadual do Meio Ambiente’ (problema de dupla personalidade??) endereçou convite para as ‘ ONGs e entidades ambientalistas do Rio Grande do Sul’ no último 8 de janeiro.

O encontro se dará na “Sede da SEADES”, às 15h, nesta quarta, dia 14/1.

O objetivo da Secretária é apresentar o “projeto de trabalho a ser implementado pela administração que ora se inicia”.  Salienta a Sra. Pellini que cada entidade poderá se fazer presente com o número de participantes que desejar.

Durante o evento, as entidades filiadas à APEDEMA entregarão à Sra. Pellini um documento.

Veja a íntegra do Convite: Of. GabSEADES 021 – 2015

Redação: JBSA (reg prof 4826/DRT-RS)
porRedação

Assembleia Geral da APEDeMA/RS no próximo sábado, 19/7

Na manhã deste sábado, dia 19/7, vão se reunir as entidades associadas da APEDeMA/RS – Assembleia Permanente das Entidades de Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, em Assembleia Geral para deliberarem sobre a entrada de novas associadas, modificação parcial do Estatuto Social, dentre outros temas. O encontro acontece entre 9h (primeira chamada) e 13h, em sala da Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre. A APEDeMA/RS se constitui na federação das entidades ambientalistas gaúchas.

Mais sobre a APEDeMA/RS:

www.apedemars.org.br

Para contatos por email com a Coordenação:

– apedemars@gmail.com

porRedação

UPPAN promove XX Semana do Meio Ambiente em Dom Pedrito

uppanA associada da APEDeMA/RS, União Pedritense de Proteção ao Ambiente Natural, de Dom Pedrito, divulga a seguinte programação de atividades na Semana do Meio Ambiente 2014: Ler mais

porRedação

Faleceu Augusto Carneiro

Faleceu Augusto Carneiro

Ocorreu nesta madrugada (7/4/2014) o falecimento de Augusto César Cunha Carneiro, aos 91 anos de uma vida cheia de obras e de amigos. Formou várias gerações na boa leitura e em exemplos de vida. Foi o articulador da fundação da AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural e da Fundação Gaia.

Estava internado há algumas semanas no Hospital Mãe de Deus, com dificuldades respiratórias e em outros orgaos. Baixou para o CTI há alguns dias. Situação piorou muito nas últimas horas e acabou falecendo hoje.

Á tarde, será velado no Cemitério São Miguel e Almas e o seu enterro está marcado para às 19h.

Deixou a filha, Andréia, e a neta, Janaína. E todos nós.

(Foto: (c) AgirAzul)

porRedação

CEA aponta a precariedade da gestão ambiental no RS

Fonte: O Eco.

Fonte: O Eco.

 

Para o Centro de Estudos Ambientais – CEA -, afiliado da APEDeMA/RS, após a análise divulgada pelo site informativo O Eco sobre os orçamentos destinados à área ambiental, “fica bem mais fácil para os céticos perceberem ou reconhecerem porque tanta precariedade na gestão ambiental do RS, traduzida nas falhas e fraudes do licenciamento ambiental, nas Unidades de Conservação fechadas ou criadas só no papel, na desorganização do CONSEMA, na insignificante disponibilização de recursos do Fundo para projetos ambientais, na falta de fiscalização, que nós do CEA, a APEDEMA e do MEG viemos dizendo e combatendo há anos!!!! Definitivamente Porto Alegre e o RS que deixaram de ser referencia na politica ambiental” Ler mais

porRedação

APEDeMA/RS realiza Assembleia Geral neste sábado, 22/3

LOGOA coordenação da APEDeMA/RS, representada por Eduino de Mattos, convocou assembleia geral de associados para o próximo sábado, dia 22/3, a partir das 9h, na Câmara Municipal de Vereadores de Porto Alegre.  Apenas representantes das entidades associadas e convidados poderão participar.

Na pauta, informes e relatos, a filiação de novas entidades e a situação da Coordenação, entre outros temas.  Atualmente, 37 entidades de todo o Estado fazem parte da APEDeMA/RS, a federação das entidades ambientalistas do Rio Grande do Sul.

Para contatos com a Coordenação, utilize o endereço: apedemars@gmail.com.

porRedação

Documentário sobre Magda Renner e Giselda Castro será lançado em 2014 – veja uma prévia de 5 minutos

A jornalista Daniela Sallet e a Zapata Filmes irão lançar no primeiro semestre de 2014 o documentário intitulado Substantivo Feminino sobre a vida e a importância da obra das grandes damas do ecologismo Magda Renner e Giselda Castro.  Ambas atuaram na ADFG – Ação Democrática Feminina Gaúcha, transformada por elas mesmas e os associados no Núcleo Amigos da Terra Brasil, integrante da Federação Internacional dos Amigos da Terra, e associada da APEDeMA/RS.  Segue o texto, fotos e o link para o  ‘trailer’ de 5 minutos do filme que terá 70 minutos de duração – o material divulgado já inclui partes dos depoimentos de Antenor Ferrari, Celso Marques, Káthia Vasconcellos Monteiro, Fábio Feldman, Roberto Smeraldi, José Truda Palazzo Jr, Germano Bonow, Gislene Monticelli e familiares das duas.  

Substantivo Feminino Daniela Sallet Producoes 11

Magda Renner em manifestação no centro de Porto Alegre em favor da proteção do clima.

Substantivo Feminino é o título do longa-metragem documental que resgata a história de duas mulheres pioneiras e fundamentais para a militância ambiental no Rio Grande do Sul e no Brasil. Mais do que isso, a atuação de ambas tive inserção internacional no movimento em defesa do meio ambiente.

Integrantes de famílias tradicionais e com trânsito nos meios políticos e sociais, Giselda Castro e Magda Renner eram mães quando se depararam com causas que as mobilizaram para além dos limites domésticos. E não se calaram diante de ações que ameaçavam o Meio Ambiente, os animais e as pessoas. Ler mais

porRedação

ONGs requerem impugnação de Edital do FEMA

ONGs ecológicas, filiadas a Assembléia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul (APEDEMA/RS) protocolaram na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (SEMA), no Ministério Público de Contas do RS e no Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA), em 10.10.13, documento requerendo a impugnação do Edital nº 0001/2013 do Fundo Estadual do Meio Ambiente (FEMA) do RS, cujo objeto é o Programa de Educação Ambiental por Organizações da Sociedade Civil, denominado PEASC.

Conforme a lei datada de 94, o FEMA “destina-se a carrear recursos para a proteção e a conservação do meio ambiente”. Ler mais

porRedação

Endereço para correspondências convencionais para a APEDeMA/RS

A Coordenação da APEDeMA/RS solicita que as correspondências convencionais destinadas à APEDeMA/RS sejam endereçadas ao endereço abaixo, aos cuidados de Eduino de Mattos, integrante da Coordenação, pela ONG Solidariedade:
ASSEMBLEIA PERMANENTE DE ENTIDADES EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE/RS
A/C: Eduíno de Mattos – Coordenação APEDeMA/RS
Rua Pedro Pereira de Souza, 104 – Bairro Partenon
91530-580 Porto Alegre, RS Brasil

porRedação

IGRÉ retira-se do CDES/RS

Presença serve apenas para homologar decisões voltadas para o crescimento econômico, sem preocupação com a qualidade ambiental e o princípio da sustentabilidade

A IGRÉ – Amigos da Água, em correspondência enviada à Coordenação da APEDeMA/RS – a federação das entidades ambientalistas gaúchas – nesta quinta-feira, 25/7, informa a saída do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social – CDES -, criado pelo atual Governador do Estado. O assunto foi pauta na reunião ampliada da Coordenação realizada em 20/7. Diz a carta, assinada por Georgina Bond Buckup, conselheira representante IGRÉ, e Luwig Buckup, assessor técnico representante IGRÉ, que “Como já havíamos exposto aos representantes das entidades ambientalistas presentes, estamos convencidos de que a nossa presença e possível atuação junto ao CDES não vem correspondendo satisfatoriamente às expectativas geradas pelos movimentos ambientalistas institucionalizadas da sociedade civil no que se refere ao atendimento das demandas básicas definidas ao ensejo de nosso ingresso naquele conselho”.

A mensagem ainda afirma que “Mais do que isto, percebemos que a nossa presença no CDES, a medida em que nossos pleitos não são sequer apreciados adequadamente, serve apenas para homologar decisões tomadas pela maioria dos conselheiros, os quais, comprometidos com prioridades previamente elencados pelos executivo estadual e apoiados pelos setores empresariais, apóiam e implementam apenas ações voltadas para  o crescimento econômico, sem qualquer traço de preocupação com a qualidade ambiental e o principio da sustentabilidade.”

A respeito da postura geral do atual Governo do Estado em relação às questões ambientais, afirmam: “Entendemos que no CDES  apenas se reproduz, em escala mais ampla, o flagrante descaso do Governo do Estado do Rio Grande do Sul,  com as questões ligadas à conservação da qualidade ambiental no território sulriograndense. Em síntese, o CDES não representa um espaço adequado para a presença e a atuação das organizações sócio-ambientalistas do Estado.”.

Mais informações:

porRedação

Manifestação do MOGDEMA sobre a saída da AGAPAN do Conselho Estadual de Meio Ambiente (CONSEMA)

 O Movimento Gaúcho em Defesa do Meio Ambiente – Mogdema – que reúne diversos movimentos sociais em favor do meio ambiente, expediu, em 23 de julho de 2013, a seguinte nota a respeito da saída da AGAPAN, associada da APEDeMA/RS,  do CONSEMA – Conselho Estadual do Meio Ambiente. A seguir a íntegra da nota:
No último dia 10 de Julho, a AGAPAN divulgou comunicado de seu afastamento do Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA/RS), apontando algumas razões, expostas em nota pública.
Não se pode dizer que o fato nos surpreendeu, embora tenhamos lamentado, cientes da significativa trajetória desta ONG pioneira e toda a valiosa contribuição prestada, ao longo dos seus vinte anos de atuação no CONSEMA, e suas mais de quatro décadas a favor do avanço das políticas públicas na área ambiental no RS e no Brasil.
 
Ao dizer que não foi surpresa, remetemos este fato à histórica luta do movimento ambientalista gaúcho pela exigência de uma reforma de caráter democrático no Conselho Estadual do Meio Ambiente, começando pelo combate à falta de paridade na composição do próprio Conselho, onde o governo junto com as empresas têm uma absoluta maioria. Isso revela-se, justamente, contra a própria lei de sua criação (Resolução n. 1/1995), que no parágrafo 2° do artigo 3° do Regimento do Consema, onde define que “assegurar-se-á a paridade de representação entre os órgãos e entidades governamentais e as entidades representativas da comunidade organizada”. Porém, isso, nem de longe, vem ocorrendo.
porRedação

Reunião discutiu assuntos da APEDeMA/RS

DSC_0290 Eduíno de Mattos 20 Julho 2013

Reunião ampliada da Coordenação discutiu os trabalhos da APEDeMA/RS nos próximos meses – Foto de Eduíno de Mattos

A Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente – APEDeMA/RS – vai formar alguns grupos de trabalho para auxiliar as 36 entidades afiliadas e as futuras associadas. Entre os objetivos da medida, no plano de trabalho apresentado pela Coordenação aos demais presentes, está o de ‘qualificar os quadros das ONGs em relação às demandas cotidianas e especiais, criando formas de difusão de informações, de organização de atividades, de interação sobre temas afetos ao coletivo e empoderamento dos ativistas com estratégias e conhecimentos  para a execução de atividades, projetos e ações’.

Neste sábado, 20/7, a Coordenação colegiada da APEDeMA – a federação das entidades ambientalistas gaúchas -, atualmente formada por Julio Cesar Wandan, de Os Verdes, de Tapes; Lori Luci Brandt Dalla Porta, da Biofuturo, Santa Maria; e por Eduíno de Mattos, do Solidariedade, de Porto Alegre, realizou reunião ampliada com os associados. Estiveram presentes diretores da  AGAPAN, Biofilia, Mira-Serra, IGRE, GESP e CEA.

Serão realizadas reuniões regionais no Interior do RS e na Capital com o objetivo de fortalecer as entidades regionais e locais. O 29o. Encontro Ecológico Estadual de Entidades Ecológicas será realizado em Arambaré, ainda em 2013.  A IGRÉ – Amigo das Águas comemorará 10 anos de atividades com uma série de atividades a serem divulgadas, também em 2013, para as quais, a Professora Georgina Buckup, da direção da entidade, convidou, desde já, a todos os interessados.

Para contatos com a APEDeMA/RS:

porRedação

Acompanhamento de Colegiados

As entidades ambientalistas associadas à APEDeMA/RS participam de inúmeros colegiados. A partir deste fim-de-semana, este blog passa a contar com um espaço para publicizar reuniões, decisões, relatórios, destes colegiados que acabam por definir diversas questões que dizem respeito ao meio ambiente e ao desenvolvimento humano. O espaço pretende se tornar referência no acompanhamento das atividades destes Colegiados, como, por exemplo, do CONSEMA – Conselho Estadual do Meio Ambiente, e outros.

Aos poucos serão adicionadas novas funcionalidades com o objetivo de qualificar as intervenções realizadas nestes Foros e facilitar o acompanhamento das atividades pelos Meios de Comunicação e cidadãs e cidadãos interessados.

Endereço: http://apedemars.wordpress.com/colegiados ou simplesmente clique na expressão ‘Colegiados’  no menu principal, no cabeçalho da página.

porRedação

APEDeMA se reúne para articular ações para o ano

No dia 20 de julho de 2013, a nova coordenação da Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente (Lori Brandt Dalla Porta – ONG Biofuturo – Santa Maria, Julio Wandam – ONG Os Verdes – Tapes e Eduino de Mattos – ONG Solidariedade – Porto Alegre) estará realizando a sua primeira reunião de trabalho, convidadas todas as entidades associadas, quando serão debatidas pautas importantes ao Movimento Ecológico Gaúcho para consolidar a cooperação e o apoio recíproco em ações e atividades para os próximos meses.

Além de debater pontos de articulação, será promovida a organização da Comissão preparatória do 29º EEEE (Encontro Estadual de Entidades Ecológicas) a ser realizado em Arambaré – de 14 a 17 de novembro de 2013. O último EEEE foi em Viamão/RS.

porRedação

AGAPAN comunica saída do CONSEMA e denuncia interesses inconciliáveis que inviabilizam o colegiado

Agapan
A AGAPAN – Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural comunicou nesta quarta-feira (10/7), à APEDeMA/RS a “decisão de abrir mão da representação para a qual fomos investidos pela APEDEMA“.
A decisão, diz a correspondência, “é o resultado de quase 20 (vinte) anos de participação ativa no CONSEMA e a constatação de que este órgão não representa os supremos interesses da população na busca de uma verdadeira sustetabilidade ecológica“. Afirma ainda que “nossa saída deste órgão colegiado deve-se à composição minoritária que temos e que nos coloca em uma condição de incompatibilidade, gerada pelos conflitos de interesses inconciliáveis que inviabilizam as finalidades institucionais do próprio CONSEMA“.
porRedação

Blog da APEDeMA/RS é fonte para jornalista

Extraclasse Julho 2013 pag. 24O jornal Extraclasse, edição de julho de 2013, publica matéria do jornalista Ariel Fagundes, intitulada “Milho transgênico bancado pelo Estado”, em que relata como o “Governo gaúcho volta a subsidiar milho geneticamente modificado pela Monsanto e Dow Agroscience”.  O Extraclasse é uma publicação mensal do SINPRO – Sindicato dos Professores do Rio Grande do Sul.

No box  “Cartas marcadas”,  é relatado por Paulo Brack, membro do Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais – INGÁ, integrante da APEDeMA/RS, como os ecologistas foram impedidos de permanecerem na sala de reunião do Feaper (Fundo Estadual de Apoio aos Pequenos Empreendimentos Rurais) que recolocou o tema dos OGMs no programa Troca-Troca, do Governo do Estado, sob a alegação, do secretário estadual Ivar Pavan, de o local ser pequeno demais.

Ler mais

porRedação

Chamada reunião da coordenação ampliada da APEDeMA/RS

Será no próximo dia 20/7, sábado, entre 9 e 13 horas, a primeira reunião ampliada da atual Coordenação da Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente (APEDeMA/RS). Com mandato até 2015, compõem a atual coordenação três entidades integrantes do movimento ecológico gaúcho: Biofuturo, de Santa Maria, Os Verdes, de Tapes, e Solidariedade, de Porto Alegre.

O encontro aconteceria inicialmente  na sala José Lutzenberger, 3º andar da Assembleia Legislativa do Estado. No entanto, em 17/7/2013, a Coordenação da APEDeMA/RS soube da inviabilidade do local pois as obras que ali se realizam não terminarão a tempo do encontro. A reunião será realizada na Sala Maurício Cardoso, no mesmo horário das 9hs as 13hs no 4º andar da AL/RS.

Na pauta, a Coordenação apresentará o plano de metas da Gestão 2013/2015, para exame das entidades afiliadas. Também serão discutidos os planos de criação e funcionamento de Grupos de Trabalho, relato de participação em Conselhos e informe e exame da organização do 29º Encontro Estadual de Entidades Ecológicas do RS, marcado para 14 a 17/11, em Arambaré, entre outros assuntos.

Para mais informações, dúvidas, sugestões, entre em contato com a Secretaria Executiva: apedemars@gmail.com

porRedação

Nova Coordenação da APEDEMA RS eleita em maio de 2013

APEDEMA/RS – Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul, coordenada pelas entidades AGAPAN, INGÁ e IGRÉ até esse final de semana, promoveu uma Assembleia Geral para eleição danova  Coordenação (2013-2015). Nesse processo, foram eleitas as entidades:  Movimento Ambientalista Os Verdes de Tapes (Tapes); representado pelo ambientalista Julio Wandan;  ONG Solidariedade (Porto Alegre); representada pelo ambientalista Eduíno de Mattos; e Biofuturo – ONG Resgatando o Futuro da Biodiversidade (Santa Maria, RS); representada pela ambientalista Lori Luci Brandt Dalla Porta.

APEDEMA+III Eduíno Mattos, Lori Dalla Porta e Júlio Wandan

APEDeMA/RS congrega as organizações não governamentais – ONGs ecológicas suprapartidárias, sem fins lucrativos, legalmente constituídas e que tenham como objetivo estatutário principal a defesa do equilíbrio ambiental, este entendido como constituído por fatores variáveis, químicos, físicos, biológicos, sociais, econômicos, políticos e culturais e a construção de uma sociedade ecologicamente sustentável, conforme decisões do X Encontro Estadual  de Entidades Ecológicas – X EEEE – ocorrido em Caxias do Sul, em 1989, onde foram estabelecidos os “Critérios de Caxias”.

A coordenação é realizada por três entidades-membro, eleitas em Assembleias para mandatos de dois anos. A Coordenação executiva – do biênio 2011/2012 – foi desenvolvida inicialmente pela Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (INGA), União pela Vida (UPV) e ASPAN (Associação Sãoborjense de Proteção ao Ambiente Natural, substituída em meados de 2011 pela Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN).

Fonte: http://anacarolinapontolivre.wordpress.com/2013/05/20/apedemars-com-nova-coordenacao-os-verdestapes-solidariedadepoa-e-biofuturosanta-maria/

porRedação

APEDEMA/RS divulga seu posicionamento para a Rio+20: Transição Ecológica Necessária

No momento em que a sociedade debate se a Rio+20, de 20 a 22 de junho, vai realmente ser de utilidade para o Planeta, a Sociedade Civil se organiza e faz um movimento paralelo na Cúpula dos Povos de 15 a 23 de junho. Esse processo de discussão tem se consolidado em alianças de luta e em documentos fruto de intenso debate.

Para participar desse momento, a APEDEMA/RS elaborou um documento em que sintetiza o pensamento de suas afiliadas sobre a conjuntura ambiental mundial e brasileira, bem como apresenta pontos fundamentais para uma Transição Ecológica Necessária.

Conheça alguns aspectos do texto da APEDEMA/RS:

BREVE REFLEXÃO DA CONJUNTURA MUNDIAL E BRASILEIRA

Em 40 anos da realização da primeira Conferência sobre Meio Ambiente (Estocolmo, 1972), e 20 anos após a Rio 92, o que vimos é: aquecimento global e maior desequilíbrio climático de origens antrópicas; diminuição das áreas de florestas e demais ecossistemas naturais, com perda acentuada da diversidade biológica; aumento de áreas desertificadas; escassez de água potável, com a perda paulatina da qualidade de água de nossos rios e demais corpos d’água; aumento do uso de produtos químicos tóxicos industriais, inclusive por meio de alimentos cada vez mais industrializados; piora na qualidade do ar, principalmente nas grandes cidades; uso intensivo de agrotóxicos na agricultura e de sementes transgênicas patenteadas por monopólios biotecnológicos totalitários; a falta de saneamento básico (esgoto e lixo), entre outros. Em contrapartida, a globalização econômica aprofundou a grande escala da degradação, via hipertrofia econômica do capital mais degradador possível, com a derrubada das culturas tradicionais e economias locais.

No momento em que as pessoas começarem a dar-se conta que a Transição Ecológica Necessária e profunda é uma condição para a plenitude do sentido da vida, e não uma perspectiva ameaçadora, começaremos a ir além do horizonte de fuga coletiva da realidade (condição autodestrutiva) para todos.

(…) Provavelmente, estamos com cada vez menos tempo para buscarmos as saídas. E, quem sabe, não temos mais alternativas: ou entramos em um novo renascimento capaz de mobilizar todas as energias criativas da humanidade, para esta Transição, ou…

PROPOSTAS PARA A TRANSIÇÃO ECOLÓGICA NECESSÁRIA

1. DIAGNÓSTICOS PROFUNDOS E CONSTANTES DA SITUAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

2. LUTA PELA VEDAÇÃO AO RETROCESSO EM MATÉRIAS SOCIOAMBIENTAIS

3. DEMOCRACIA

4. DESCENTRALIZAÇÃO E DESCONCENTRAÇÃO ECONÔMICAS

5. DESMERCANTILIZAR O ESPAÇO DO CAMPO E DA CIDADE

6. FORTALECIMENTO INSTITUCIONAL

7. EDUCAÇÃO AMBIENTAL

8. BIODIVERSIDADE E SOCIOBIODIVERSIDADE

9. ENERGIA E TRANSPORTE

10. PROGRAMAS PRÓ-TRANSIÇÃO ECOLÓGICO-ECONÔMICA PROFUNDA

Leia esses dez pontos com todos os seus detalhamentos, bem como a revisão de Conjuntura completa no documento na íntegra: Doc. da Apedema do RS – TEN – Transição Ecológica Necessária – Para Cúpula dos Povos – Rio – junho/2012

porRedação

APEDEMA/RS – Quem somos

Foi no final de 1990 em Novo Hamburgo-RS, que surgiu a Assembleia Permanente de Entidades em Defesa do Meio Ambiente – APEDeMA/RS – entidade criada com o objetivo de articular as entidades ecológicas do Rio Grande do Sul, especialmente o Movimento Ecológico Gaúcho (MEG).

A  APEDeMA/RS congrega as organizações não governamentais – ONGs ecológicas suprapartidárias, sem fins lucrativos, legalmente constituídas e que tenham como objetivo estatutário principal a defesa do equilíbrio ambiental, este entendido como constituído por fatores variáveis, químicos, físicos, biológicos, sociais, econômicos, políticos e culturais e a construção de uma sociedade ecologicamente sustentável, conforme decisões do X Encontro Estadual  de Entidades Ecológicas – X EEEE – ocorrido em Caxias do Sul, em 1989, onde foram estabelecidos os “Critérios de Caxias”.

Foto: Os Verdes de Tapes

A  APEDeMA/RS defende o conceito de democracia horizontal e, como tal, é uma instância de articulação e implementação de decisões das entidades de base, atuando tanto na organização de eventos do Movimento Ecológico Gaúcho (MEG), no apoio à organização das entidades e na relação destas com as esferas governamentais e os demais setores da sociedade.

Foto: Centro de Estudos Ambientais – CEA.

Importante destacar que a filiação de novas entidades se dá mediante solicitação, análise de documentação e aprovação em assembleias.

Foto: Centro de Estudos Ambientais – CEA.

A coordenação é realizada por três entidades-membro, eleitas em Assembleias para mandatos de dois anos. A última coordenação executiva – do biênio 2011/2012 – foi desenvolvida pela Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (INGA), União pela Vida (UPV) e (ASPAN( Associação Sãoborjense de Proteção ao Meio Ambiente  – por um semestre) e Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN).

Em Assembleia Geral para eleição de nova Coordenação, foram eleitas as entidades:  Movimento Ambientalista Os Verdes de Tapes (Tapes); representado pelo ambientalista Julio Wandan;  ONG Solidariedade (Porto Alegre); representada pelo ambientalista Eduíno de Mattos; e Biofuturo – ONG Resgatando o Futuro da Biodiversidade (Santa Maria, RS); representada pela ambientalista Lori Luci Brandt Dalla Porta – Gestão 2013-2015.

AFILIADAS (em ordem alfabética)
Atualização: Janeiro de 2012

Ação Nascente Maquiné (ANAMA/Maquiné);

Amigos da Paisagem Preservada de Quintão (APAIPQ/Palmares do Sul);

Associação Ambientalista Biguá (Arambaré);

Associação Ambientalista da Costa Doce (A.A.C.D/Camaquã);

Associação Amigos do Meio Ambiente (AMA/ Guaíba);

Associação Amigos do Meio Ambiente  (AMA/Carazinho);

Associação Bentogonçalvense de Proteção ao Ambiente Natural (ABEPAN/Bento Gonçalves);

Associação de Preservação da Natureza Vale do Gravataí (APN-VG/Gravataí);

Associação Ecológica Canela (ASSECAN/Canela);

Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN/Porto Alegre);

Associação Ijuiense de Proteção ao Ambiente Natural (AIPAN/ Ijuí);

Associação Sãoborjense de Proteção ao Ambiente Natural (ASPAN/São Borja);

Centro de Estudos Ambientais (CEA/Pelotas/Rio Grande);

Fundação Gaia (Porto Alegre);

Fundação Mo’ã (Santa Maria);

Grupo Ecológico Guardiões da Vida (GEGV/Passo Fundo);

Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (GESP/Passo Fundo);

Maricá – Grupo Transdisciplinar de Estudos Ambientais (Viamão);

ONG H2O Prama (Porto Alegre);

Igré – Associação Sócioambientalista (Igré/Porto Alegre);

Instituto Ballaena Australis (Santa Vitória do Palmar);

Instituto Biofilia (Porto Alegre);

Instituto Econsciência (Porto Alegre);

InGá – Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais (Porto Alegre);

Instituto Orbis de Proteção e Conservação da Natureza (Caxias do Sul);

Instituto Patulus (InPa/Bento Gonçalves);

Movimento Ambientalista Os Verdes de Tapes (Tapes);

Movimento Ambientalista Verde Novo (São Lourenço do Sul);

Movimento Roessler para Defesa Ambiental (Novo Hamburgo);

Núcleo Amigos da Terra Brasil (NAT/Porto Alegre);

Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (NEMA/Rio Grande);

Biofuturo – ONG Resgatando o Futuro da Biodiversidade (Santa Maria, RS);

ONG Solidariedade (Porto Alegre);

Projeto MIRASERRA (Porto Alegre e São Francisco de Paula);

União Pedritense de Proteção ao Ambiente  Natural (UPPAN/Dom Pedrito);

União pela Vida (UPV/Porto Alegre);

União Protetora do Ambiente Natural – UPAN (São Leopoldo, RS).

porRedação

5 de junho – Dia do Meio Ambiente

APEDEMA/RS socializa a pergunta:

Chama-se Meio Ambiente por que já destruímos a metade?

Appelé l’environnement qui ont détruit la moitié?

Called the environment that have destroyed half?

Chiamato l’ambiente che hanno distrutto mezzo?

Foto: http://www.facebook.com/sick.planet

porRedação

AGAPAN substitui ASPAN na Coordenação Bienio 2011-2013 da APEDEMA/RS

Após sete meses de atuação, a ASPAN, em carta dirigida às ONGS da APEDEMA/RS, solicitou sua retirada da Coordenação. Sendo que a Entidade tem sede em São Borja, sua atuação frente as demandas na capital do Estado, bem como, de organização geral do coletivo se inviabilizaram.

Assim, nessa última terça-feira, 29/05/2012, na sede do INGÁ, em Reunião Geral convocada especialmente para tratar da saída da ASPAN, foi decidida por consenso escolha da AGAPAN/POA para ocupar o cargo vago. Os presentes na reunião valorizaram o empenho e o trabalho da ASPAN, especialmente no Blog, que vinha sendo alimentado principalmente pela representante da ONG ASPAN Ana Carolina Martins da Silva.

Ana Carolina não pode participar da reunião, mas justificou seu ausência. Em posterior comunicação, Ana Carolina manifestou sua aprovação pela escolha da AGAPAN e fez considerações sobre o período de sete meses em que esteve na coordenação:fiz todos os Movimentos possíveis para representar bem a ASPAN e congregar as ONGs da APEDEMA/RS junto aos seus objetivos e metas: tenho dado manutenção ao Blog junto com o jornalista João Batista Santafé Aguiar do NAT; tenho tentado articular todas as ONGs do Estado; tenho tentado manter as correspondências da Secretaria Executiva em dia; organizei e sistematizei uma Proposta de Plano de Ação para o ano inteiro a partir dos debates na 59 Assembleia em conjunto com o INGÁ e UPV; cuidei do envio por carta e por e-mail. Agendei reuniões, nas quais participei, cuidando para que circulassem os relatos; tenho ajudado a construir documentos importantes e demais funções características da Coordenação. Agora, em função de minha vida profissional, não tenho mais condições de me manter na Coordenação”.

O Conselho Superior da ASPAN, através da pessoa de Darci Bergmann, também se manifestou a respeito: “A ASPAN, no momento, não dispõe de outra pessoa para substituir a Ana Carolina, por isso ficou decidido que não haverá mais a participação da nossa entidade nessa equipe”. Para Bergmann, a participação da ASPAN teve saldo altamente positivo – em especial quando dedicou-se ao trabalho no blog”.

A AGAPAN estará representada na pessoa de Edi Fonseca, para complementar o cargo vago.

A APEDEMA-RS congrega desde sua fundação no início dos anos 90, em Novo Hamburgo-RS, ONGs de todo o Estado e, das ONGs ambientalistas/ecologistas mais antigas e atuantes no RS, a Associação Gaúcha de Proteção do Ambiente Natural (AGAPAN), que completou 41 anos esse ano, é uma das mais inspiradoras para a fundação de outras ONGs no RS, inclusive a ASPAN.

Em relação à substituição na Coordenação, a ASPAN relatou ainda que se sente honrada com a presença da ambientalista Edi Fonseca devido ao seu histórico profissional como professora, como ambientalista, como pessoa, e ao seu conhecimento adquirido participando de diversos Conselhos Representativos, tanto em nome da AGAPAN, quanto em nome da APEDEMA/RS.

porRedação

APEDEMA/RS E APEDEMA/RJ participam de Plenárias preparatórias para Cúpula dos Povos

A APEDEMA/RS participa amanhã, 03/5/2012, no Instituto dos Arquitetos do Brasil ( Rua Gal Canabarro, 363 – Centro, Porto Alegre – RS, 90010-160 ), às 18h de uma Plenária de Mobilização dos Movimentos Sociais para participação na Cúpula dos Povos. Com objetivos de
organizar participação dos Movimentos; socializar conhecimento sobre a estrutura da Cúpula dos Povos; Promover a articulação das diferentes formas de interação já programadas pelos Movimentos, de forma a fortalecer a luta, dando uma maior visualização para os coletivos. No encontro, serão exibidos vídeos feitos pelos Movimentos sobre o tema, com depoimentos e análises para conhecimento de todos. Haverá uma breve apresentação de cada Movimento e posições para a Cúpula dos Povos a partir de eixos orientadores, que foram encaminhados para que os Movimentos fizessem suas reflexões, debates e síntese:
  • 1) Causas estruturais das crises e injustiças sociais e ambientais, falsas soluções e novas formas de acumulação do capital sobre os povos e territórios
  • 2) Soluções reais e novos paradigmas dos povos
  • 3) Agendas, campanhas e mobilizações que unificam o processo da luta anticapitalista após a Rio +20.
Clique aqui e veja como fazer as incrições e a metodologia da Cúpula dos Povos.
A Plenária pretende a  socialização do acúmulo de discussões de cada Movimento e planejamento de possíveis ações em conjunto.  A programação da Cúpula dos Povos pode ser conferida no site Portal Rio+20. No Rio de Janeiro, por sua vez, a APEDEMA/RJ segue realizando plenárias e debates de organização. No dia 3.5.2012, a APEDEMA/RJ terá reunião às 15h. Sua principal bandeira de luta na Cúpula dos Povos será a AGROECOLOGIA. A APEDEMA/RS estará representada na Plenária do dia 3/5/2012, em Porto Alegre/RS, por Vicente Medaglia, Coordenador do INGá, uma das ONGs coordenadoras da APEDEMA/RS.
porRedação

SEMA e Meio Ambiente no RS em debate no Cidadania Ambiental

A Professora Ana Carolina Martins da Silva é a entrevistada do Cidadania Ambiental desta semana (25 e 28/4/2012). Ana Carolina fala como integrante da ASPAN – Associação São-borjense de Proteção ao Ambiente Natural  e participante da atual coordenação colegiada da APEDeMA/RS – Assembléia Permanente das Entidades de Meio Ambiente do Rio Grande do Sul. Na conversa com o Jornalista João Batista Aguiar, Ana fala sobre as atividades do movimento ambientalista, principalmente do documento entregue ao Governador do Estado sobre a situação calamitosa em que se encontram  a SEMA e a FEPAM. O programa foi transmitido ao vivo na noite de quarta-feira, 25/4/2012, e será retransmitido neste sábado, a partir do meio-dia. Na mesa de som, Lothar Gutierrez. Para escutar o programa, clique aqui. 

O Cidadania Ambiental é um programa semanal da Rádio Ipanema Comunitária, emissora comunitária da região sul de Porto Alegre, freqüência local FM 87,9 Mhz. Toda a programação está disponível pela internet no endereço www.ipanemacomunitaria.com.br. A rádio também é transmitida pela Internet com link neste endereço.

porRedação

Defendendo o Código Florestal Brasileiro

A Assembleia Legislativa, (19.4.2011), realizou conferência com a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, na qual a APEDeMA-RS esteve presente e fez uma das falas disponibilizadas às autoridades. Abaixo a íntegra do que foi falado, por Cíntia Barenho, membro da Coordenação Executiva da APEDEMA/RS na ocasião e militante do CEA, ONg filiada à APEDEMA/RS,  à Ministra, autoridades e público presente.  Um ano depois, o assunto não está resolvido e a sociedade clama por justiça e para que a Presidenta Dilma Vete as mudanças criminosas no Código florestal Brasileiro

 

Por conta dessa infeliz atualidade do tema, reproduzimos, um ano depois, a posição da APEDEMA/RS.

DEFENDENDO O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO
Bom para o Agronegócio, ruim para a biodiversidade do Brasil

A APEDeMA/RS – Assembleia Permanente de Entidades de Defesa do Meio Ambiente – repudia toda e qualquer forma de precarização e flexibilização da legislação ambiental.

Sendo assim, tendo em vista o relatório do deputado Aldo Rebelo, é impossível e inadmissível concordar com um projeto que elimina a reserva legal em 90% das propriedades brasileiras, que anistia os crimes ambientais, que beneficia ocupações ilegais recentes, que reduz e descaracteriza as Áreas de Preservação Permanente.

Para nós é inadmissível que interesses unilaterais, pautados numa uma visão fracionada e reducionista, estejam balizando as propostas de alteração do Código Florestal Brasileiro. Este movimento, de interesse sobremaneira econômico – do setor do agronegócio – que pouco ou nada tem de desenvolvimento sustentável, infelizmente encontrou em vários parlamentares – que deveriam zelar pelo interesse da coletividade  –  intermediários leais na minimização e até retirada da importante proteção legal da natureza.

Denunciamos que tal movimento que visa atender exclusivamente a essência do modelo vigente – capitalista neo-liberal – no qual é degradador por excelência e necessita cada vez mais se apropriar de forma privada da natureza, da vida.

Não compactuamos com interesses setoriais que comprometerão de forma irreversível a nossa sociobiodiversidade, atingindo a todas e todos os seres.

Portanto, nós da APEDeMA-RS discordamos:

  • Da proposta de redução do limite das matas ciliares de 30 para 7,5 metros nas margens de cursos dágua de até 5 metros de largura;
  • Da proposta de anistiar das multas quem desmatou além do permitido até 2008. Isso é premiar a impunidade!
  • Da proposta de compensação de áreas desmatadas de determinado Estado, por áreas de floresta em outros Estados ou bacias hidrográficas;
  • Da proposta de isenção de reserva legal para imóveis com até 4
  • módulos fiscais em todo o país. Pois embora a justificativa para tal medida seja a proteção da pequena agricultura familiar, o dispositivo não faz qualquer referência à condição socioeconômica do beneficiário da dispensa;
  • Da não diferenciação da Agricultura Familiar conforme legislação específica.

Além disso, se pensarmos o Rio Grande do Sul, no nosso principal bioma, o Bioma Pampa, as alterações propostas não condizem com a realidade local, já que o Pampa é composto por comunidades vegetais que nem sempre são florestas. Por exemplo, os banhados – áreas úmidas – que merecem destaque especial no Código Florestal Brasileiro, mas que com a proposta de alteração podem ser suprimidos sobremaneira.

Também no Rio Grande do Sul nos preocupa as proposições de alguns deputados dessa casa legislativa, também capitaneados pelos interesses do agronegócio – especialmente do setor da celulose e papel-
acerca do Projeto de Lei 154 de 2009 (PL 154) – o PL da desproteção do Meio ambiente gaúcho – no qual propõe  alterações, que levam à descaracterização do Código Estadual do Meio Ambiente e, por consequência, uma diminuição e, até, total supressão da tutela legal do Estado sobre o ambiente, com riscos graves para a natureza e para toda a sociedade.

Uma proposta de lei anti-democrática que também não primou pela participação de todos os setores da sociedade, nem mesmo pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente dessa casa. No entanto, mesmo com toda a movimentação da sociedade gaúcha, que resultou no arquivamento do PL 154, o mesmo, nessa nova legislatura já foi desarquivado e começa a tramitar.

Por fim, nós da APEDeMA-RS, parte integrante do Movimento Ecológico Gaúcho, reconhecidamente vanguarda na luta ecológica, reivindicamos que a legislação ambiental seja efetivada por meio de políticas públicas; que o Estado Brasileiro se responsabilize imediatamente pela promoção do  Zoneamento Econômico Ecológico; que haja um esforço para discussões sobre os índices de produtividade e do limite da propriedade privada e não apenas se predisponha a discussões que não visam alterações reais na forma como nos relacionamos com a natureza. Também destacamos a necessidade de prorrogar o decreto 7029, para que possamos discutira com mais propriedade e a calma necessária o Código Florestal Brasileiro.

Enfim atender a pressão do grande agronegócio, autorizando a continuidade do desmatamento, se cria a cumplicidade na perda de bens materiais, de vidas humanas e não humanas e na degradação consolidada da natureza.

CONTRA A REFORMA DO CÓDIGO FLORESTAL, CONTRA A CONCENTRAÇÃO DE RENDA, CONTRA AS CAUSAS DO AQUECIMENTO GLOBAL
UM OUTRO DESENVOLVIMENTO É POSSIVEL!

porRedação

22 de março: Dia Mundial da Água

Poluição, alteração dos cursos dágua com barragens, drenagens e irrigação para agricultura estão comprometendo nossos rios.

Em 1993, a ONU definiu o dia 22 de março como o Dia Mundial da Água. A data ficou destinada à discussão sobre os diversos temas relacionados a este importante bem natural. Cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E, como sabemos, grande parte de suas fontes  (rios, lagos e represas) está sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. O Dia Mundial da Água tem como objetivo principal criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema. Leia no Sul21 um artigo de Alice Marcondes sobre as trocas que a selva amazônica realiza com a água da região e as alterações que têm sido verificadas na região.

Baixe e leia o artigo RIOS COMO ARTÉRIAS DE VIDA, MAS ATÉ QUANDO?, de Paulo Brack, do INGÁ e da Coordenação da APEDEMA/RS : utf-8”rios como arterias de vida mas até quando

         Recomendamos também a leitura de um artigo de Antônio Soler, disponibilizado em 2007 sobre o tema, e resgatado hoje pelo CEA, ONG filiada à APEDEMA, juntamente com essa foto extremamente ilustrativa da poluição hídrica, no caso, entre os banhados dos municípios em Pelotas e Rio Grande/RS. A imagem é de Laureano Bittencourt (http://www.fotolaureano.com.br/laureano-bittencourt/), fotógrafo atento as questões ambientais, que há anos colabora com CEA.

Água: elemento natural protegido por lei

 

porRedação

AIPAN: responsabilidade de todos com a sociedade e com a natureza

A  AIPAN – Associação Ijuiense de Proteção ao Ambiente Natural,
ONG afialda à APEDEMA, declarada de utilidade pública, conforme Decreto Executivo n. 1596/1992 da Prefeitura de Ijuí e Boletim n. 320/1993 do Governo do Estado, foi fundada em 1973, em Ijuí RS. Desde então se manteve ativa, com períodos de diminuição e aumento de sua vitalidade. Dedicou-se a muitas atividades, inclusive à produção de mudas para arborização urbana e reflorestamento e pautou debates sobre temas como reciclagem e destino do lixo, produção agroecológica e poluição ambiental.

 

É constituída por pessoas físicas comprometidas com o debate e a responsabilidade socioambiental, que não representam instituições, empresas, nem qualquer pessoa jurídica.

A AIPAN reúne pessoas empenhadas em proteger e recuperar o ambiente natural e suas variadas formas de vida; conta, essencialmente, com o trabalho voluntário de seus associados que são de diferentes profissões, classes e grupos sociais e de variadas tendências político-partidárias.

Atualmente, a Associação adota uma abordagem socioambiental e acredita na responsabilidade de todos para com a sociedade e a natureza. Centraliza suas atividades na sensibilização, na educação ambiental, na organização de eventos, na proposição de projetos junto ao poder público, na participação em conselhos municipais, na aproximação com outras associações e instituições com as quais tem afinidades e, em menor medida, na denúncia de problemas ambientais locais.

Clique aqui, visite o site da AIPAN e conheça melhor o seu trabalho

Associados da AIPAN - Fonte do Foto: site da AIPAN

porRedação

Mira-Serra participa do II Encontro Brasileiro de Secretários de Meio Ambiente NO FST

Lisiane Becker, da ONG MIRA- SERRA, afiliada da APEDEMA/RS, esteve entre os dias 26 e 27 de janeiro, no II Encontro  Brasileiro de Secretários de Meio Ambiente –  “Articulação política pela Sustentabilidade” – que contou também, com a participação de algumas ONGs, como o GESP de Passo Fundo, também afiliada da APEDEMA/RS, representado por Lucinda Gonçalves, funcionários públicos, acadêmicos, profissionais, membros do CONAMA, entre outros.

 Clique aqui para ver o relato de Mira-Serra.

Mira-Serra registra o evento no FST


porRedação

Maricá no Fórum Social Temático

Considerando o FST como um espaço aberto e plural, a programação do Fórum foi fundamentalmente constituída por atividades propostas e geridas por movimentos, coletivos e organizações da sociedade civil, relacionadas ao tema “Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental”, o Grupo Maricá, de Viamão, ONG afiliada da APEDEMA, esteve presente em diferentes momentos e espaços de discussão do FST.

Integrante do Maricá na Marcha de Abertura do Fórum Social Temático

Passeata de Abertura (24/01)

Representantes do Maricá, com representantes de entidades da sociedade civil, conselhos, membros da FADERS, SJDH e do CONADE, participaram da Marcha de Abertura do FST, levando as ruas a Campanha Nacional de Acessibilidade, com a versão gaúcha.

Controle Social e Democracia Participativa (26/01)

O grupo Maricá participou desse debate que fomentou justamente uma reflexão sobre os espaços de participação e os mecanismos de atuação da sociedade civil organizada. O Fórum é um espaço que possibilita o diálogo e a participação na construção de sociedades democráticas, sendo este um dos grandes desafios dos debates e interlocuções propostos pelos presidentes do CONADE, Moises Bauer e do Conselho Nacional da Assistência Social (CNAS), Carlos Ferrari.

Redes, Sustentabilidade e Acessibilidade (27/01)

Tendo como palco o Jardim Botânico, foram estabelecidos debates sobre acessibilidade e sustentabilidade, com presenças da Universidade Federal de Santa Maria, Faculdade Cenecista de Osório, Rede Sulbrasileira de Educação Ambiental, Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, FADERS e COEPEDE. O debate esteve centrado na aproximação das redes de educação ambiental, do movimento das pessoas com deficiência e mais além, articular os conceitos de acessibilidade e sustentabilidade e fez parte do II Tecendo Redes.

Participantes do debate sustentabilidade e acessibilidade no Jardim Botânico

 

 

Jornada Internacional de Educação Ambiental (28/01)

O Maricá esteve presente na II Jornada, que retomou o processo da I Jornada Internacional de Educação Ambiental realizado no âmbito da Rio 92/Fórum Global, na qual foi aprovado um pacto mundial para educação ambiental denominado Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global. A II Jornada rumo a Rio+20 visa construir uma rede planetária de educadores para Sociedades Sustentáveis.

Maricá na Jornada Internacional de Educação Ambiental

Debate discute cidades sustentáveis

Ocorreu na quarta-feira (25/01), durante o Fórum Social Temático, importante debate sobre cidades sustentáveis, com participação de diversos painelista, com destaque para o teólogo Leonardo Boff, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva e Oded Grajew, do Instituto Ethos.

Maricá no debate sobre cidades sustentáveis

 

O Grupo Maricá, entidade ambientalista afiliada da APEDEMA de Viamão, esteve no evento e pretende construir uma carta similar para a campanha eleitoral. “vamos tencionar partidos e candidatos a assumirem responsabilidade com o meio ambiente e  com a igualdade. Entendemos que a construção de uma cidade sustentável envolve cidadania, acessibilidade e direitos humanos. Com relação ao código florestal, temos confiança no veto presidencial, mas não somos ingênuos e sabemos as condições em que foram realizadas as votações.”

Militantes do Maricá tem participado de vários momentos o Fórum Social Temático e estarão coordenando reuniões com a rede Brasileira de Educação Ambiental (REBEA) e a REASUL (Rede Sulbrasileira de Educação Ambiental), todas preparatórias para a Rio+20.

porRedação

APEDEMA/RS presente na Assembleia dos Movimentos Sociais em Porto Alegre

Em clima de harmonia e união, aconteceu neste sábado (28/1/2012), a Assembleia dos Movimentos Sociais, no Fórum Social Temática, em Porto Alegre, na Usina do Gasômetro, às 13h, reunindo em torno de 1,5 pessoas. À mesa: João Pedro Stedile, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), José Miguel, da Central dos Trabalhadores de Cuba (CTC) e Rosane Bertoti, da Central Única dos Trabalhadores (CUT). A Assembleia dos Movimentos Sociais teve como objetivo reunir os movimentos que compõem a Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) para discutirem especificamente suas demandas, além de fortalecer um calendário de lutas em comum para o próximo período.

A articulação de Os Verdes de Tapes, quando o ambientalista Júlio Wandan reenviou um convite recebido pela Rede dos Verdes para Coordenação, anexado a uma carta que enviou para o jornalista que divulgava o  evento, comentando a importância da APEDEMA estar envolvida. Dizia a carta: “(…) sinto que está em falta uma parte do Movimento Social, se não estiver presente algum representante de nossa Assembléia de entidades ambientalistas do RS, que representa mais de 35 entidades em todo o RS. O que seriam dos Movimentos Sociais, se os ativistas ambientalistas não fossem considerados ‘sociais’ também?” deu resultado. Sem ter retorno da Coordenação do evento, mas considerando essa observação, a Coordenação da APEDEMA esteve presente ao evento tentando garantir uma inscrição nas falas.

As primeiras respostas à inscrição da APEDEMA foram negativas, pois a CMS havia delimitado critérios: ONGs de atuação Nacional e Internacional. Foi preciso argumentar, explicando sobre a participação das ONGs afiliadas à APEDEMA/RS nos Conselhos de nível nacional, tais como: CONAMA, MATA ATLÂNTICA, dentre outros. Havendo a aprovação da inscrição, a Coordenação, representada pela ASPAN/RS e a AGAPAN/RS elaboraram uma intervenção rápida, após leitura criteriosa da Declaração da Assembléia dos Movimentos Sociais de Porto Alegre (RS) Brasil e levando em conta os principais pontos discutidos em reuniões pregressas sobre a Rio+20, bem como nos encontros do dia 26/1/2012, à tarde, na UFRGS (Oficina sobre as hidrelétricas) e, à noite, na comunidade Utopia e Luta, na sequência do lançamento da Exposição Virtual “Arte e Ecologia” – GRAFAR & APEDEMA. No dia 26, estiveram presentes ONGs membros da APEDEMA, o ativista Sylvio Nogueira (representando o MOGDEMA e o Movimento em defesa da Orla do Guaíba), representantes de Utopia e Luta e integrantes da APEDEMA do Rio de Janeiro.

Assim, a AGAPAN, na pessoa de Edi Fonseca, em nome das 37 ONGs afiliadas da APEDEMA, apresentou:

1. Apresentou a APEDEMA;

2. Declarou o apoio integral da APEDEMA ao documento produzido pelos Movimentos Sociais no FST POA/2012;

3. Solicitou a inclusão da APEDEMA e dos ecologistas no Comitê Organizacional dessa preparação para Rio+20; (O que foi encaminhado formalmente pela Coordenação ao representando da CUT no RS).

4. Declarou que “somos contra o genocídio dos povos indígenas e de seu modo harmonioso de viver com a natureza. Eles são as principais vítimas do capitalismo, do capitalismo mercantilista colonial até o capitalismo técnico-científico-informacional;

5. Denunciou o modelo energético brasileiro, por ser um modelo militarista da década de 70, bem como a construção indiscriminada de barragens;

6. Denunciou o modelo de agricultura que usa veneno na sua forma de produção;

7. Colocou a disposição dos ambientalistas gaúchos de trabalhar junto com os Movimentos Sociais, na divulgação da Declaração e na organização de eventos. Em especial, o do dia 05 de junho, que pretende ser uma ação GLOBAL.

A Assembléia serviu como uma espécie de análise de conjuntura internacional dos Movimentos, quando foi debatida a crise do sistema capitalista, havendo uma   denuncia reiterada às falsas soluções apresentadas pelo sistema à crise – o que chamam de economia verde – tendo a compreensão de que esse problemas nada mais são do que consequências do próprio sistema capitalista”.

A Declaração da Assembléia dos Movimentos Sociais Porto Alegre (Clique aqui para ler a Declaração completa.)  foi uma bandeira de luta em comum construída entre os movimentos sociais.  Ela reafirmou os eixos de luta, adotados em Assembléia, em 2011: “Luta contra as transnacionais; luta pela justiça climática e pela soberania alimentar; luta para banir a violência contra a mulher; luta pela paz e contra a guerra, o colonialismo, as ocupações e a militarização de nossos territórios, dentre outros”.

Além da AGAPAN (Edi Fonseca) e da ASPAN (Ana Carolina), representando a Coordenação da APEDEMA, estiveram presentes no evento, Sylvio Nogueira (MOGDEMA e Movimento em defesa da Orla) e integrantes do NAT/Brasil, sendo que Fernando Costa, ativista e permacultor, foi inscrito em nome dos Amigos da Terra internacional, e ratificou as principais lutas socioambientais das quais a APEDEMA também faz parte.

 Ver mais em: CUTPortal Vermelho, Jornal do Brasil, RBS, Yana Marull, Um outro jornalismo é possívelEl Alba de Movimientos Sociales, SUL21

GALERIA

Fotos do evento e de Júlio Wandan (Os Verdes de Tapes), nesse registro feito por Antônio Soler (CEA/Pelotas) está também Lucinda (GESP/Passo Fundo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

porRedação

Fórum Social Temático: Ambientalistas gaúchos apresentaram propostas

Fórum Social Temático: Ambientalistas gaúchos apresentaram propostas

Por Darci Bergmann

O tema Rio+20: Que Desenvolvimento Queremos foi proposto pelos organizadores do Fórum Social Temático e ficou a cargo da Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Assembléia Legislativa gaúcha. As palestras e debates seriam realizados na Câmara de Vereadores de Porto Alegre. O falecimento do ex-vereador Brochado da Rocha forçou o cancelamento desse evento. A APEDEMA/RS, que reúne 37 entidades ambientalistas e que seria uma das debatedoras, incorporou a discussão de propostas em outro evento paralelo, sobre as Hidrelétricas, nas dependências da UFRGS.

Clique aqui e visite o site da ASPAN/São Borja para saber mais.

porRedação

FST: Ofícina sobre Hidrelétricas foi um sucesso

Aconteceu no dia 26/1/2012 a OFICINA “Belo Monte, Pai Querê e Garabi: Energia para quê e para quem!” promovida pelo INGÁ e pelo Movimento Uruguai Vivo. A oficina foi ministrada pelo Prof. Dr. Paulo Brack e pelo Mestre Eduardo Luis Ruppenthal, com apoio da APEDEMA/RS e participação especial dos ecologistas: Darci Bergmann (ASPAN-São Borja) e Francisco Milanez (AGAPAN-Porto Alegre).

Apesar da mudança de local de forma arbitrária pela organização do Fórum Social Temático, um dia antes, a sala da Faculdade de Arquitetura da UFRGS esteve lotada. Membros do Fórum, ONGs, universitários, Coordenação da APEDEMA/RS, dentre outros, prestigiaram o evento e participaram acaloradamente dos debates.

Saiba mais sobre HIDRELÉTRICAS em: http://riouruguaivivo.wordpress.com/